Semana Santa

Estadão

04 Abril 2012 | 10h16


A religiosidade sempre foi parte importante da vida brasileira. Não por acaso, álbum de família do começo do século passado não podia deixar de ter fotos de crianças, jovens e adultos nos dias de batizado, primeira comunhão e casamento. Além de retratos feitos por lambe-lambes em festas e destinos religiosos, como a cidade de Aparecida, no interior paulista, da qual falaremos ainda nesta semana.

 

Vela, terço e laço branco ajudavam a compor o traje religioso

 

As imagens serviam não só como recordação para a família, mas também para presentear padrinhos, parentes e amigos. E geralmente eram produzidas em estúdio logo após a realização da cerimônia, com os trajes apropriados e em cenários que remetiam aos rituais. O garoto da foto acima, por exemplo, certamente posou para o fotógrafo – com o terço em uma mão e a vela no outro – no dia de sua primeira comunhão. O mesmo vale para a garota de cabeça coberta da imagem abaixo, ajoelhada em posição de prece, também após a primeira eucaristia.

Menina em posição de prece no dia da primeira comunhão

Mas o primeiro registro religioso da vida da criança costumava ser o dia do batismo. Bebês recém-batizados eram fotografados com o traje cuidadosamente escolhido pelos pais para a ocasião – geralmente roupas compridas, cheias de fitas e bordados, como podemos ver na foto abaixo. Muitos traziam a cabeça coberta por uma touquinha e a maioria tinha menos de um ano de vida, como orientava o catolicismo – religião dominante no Brasil da época.

Bebê com traje comprido especial

No post de amanhã, falaremos mais da primeira comunhão, outra cerimônia que costumava ser muito fotografada nos estúdios pelo País. E, ao longo da semana, publicaremos vários retratos ligados à religiosidade. Se você tiver guardada em casa alguma foto desse estilo e também quiser vê-la no blog, basta enviá-la para o e-mail blogalbumderetratos@gmail.com. É grátis e rápido.