Animadas disputas antecederam a Copa América

Animadas disputas antecederam a Copa América

Lizbeth Batista

12 Julho 2011 | 09h08

Em tempos de  Copa América, o mais antigo campeonato ainda disputado, o Há um século de hoje traz uma das primeiras disputas entre times e sul-americanos.

Em 12 de junho de 1911 o Estado anunciava na primeira página o resultado da partida disputada entre o time vindo do  Uruguay e um time rio-grandense.

Quarta-feira, 12 de julho de 1911

A nota contava  que “o jogo foi brilhante e os jogadores rio-grandenses portaram-se com grande valentia ”. A coragem dos jogadores brasileiros não foi o bastante. O time do Uruguay venceu a partida, por dez à zero.

Nem mesmo a derrota do time brasileiro abafou os festejos, como informava a mesma nota “Pelotas continuava a festejar os sympathicos jogadores da vizinha Republica”

A vinda dos jogadores uruguaios ao Brasil foi ansiosamente aguardada.

O Estado de S.Paulo 08/07/1911

O Estado de S.Paulo 10/07/1911

O futebol começava a crescer no país e a despertar grande interesse popular. As manifestações de apreço ao esporte não aconteciam apenas no Brasil, países vizinhos que dividiam essa mesma paixão. Partidas entre times sul-americanos tornavam-se cada vez mais freqüentes.

Apenas 5 anos depois do amistoso em Pelotas, times do  Brasil, Uruguay, Chile e Argentina disputavam o primeiro Campeonato Sudamericano de Selecciones, a Copa América de hoje.

O Uruguay levou os dois primeiros campeonatos, bicampeão despontava como a grande seleção da América do Sul.

O terceiro Campeonato Sudamericano, disputado no Rio de Janeiro em 1919, colocou a invencibilidade uruguaia à prova. Inicialmente marcado para 1918 foi adiado para o ano seguinte, uma epidemia de gripe que assolava a cidade o que levou os responsáveis a remarcarem o torneio. A mudança no calendário forneceu o tempo necessário para reformar o Estádio das Laranjeiras para receber as partidas da competição.

Numa bonita campanha o Brasil chegou à final. Seu adversário? Era o Uruguay.

O jogo caminhava para um empate, quando Artur Friedenreich marcou o único gol da partida, no segundo tempo da prorrogação, dando ao Brasil seu primeiro título internacional.

Pesquisa  e texto: Lizbeth Batista

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

1911FutebolUruguay