O titã dos mares

O titã dos mares

Lizbeth Batista

12 Abril 2012 | 17h44

The Illustrated London News, 1912.

Após dois dias navegando em águas calmas, o desafio titânico abraçado pelo estaleiro Harland & Wolf mostrava toda a sua opulência. Era a consagração da construção do maior e mais luxuoso navio que o mundo já vira. Toda a sua magnitude era desfrutada numa viagem até então tranquila.

A empreitada para a construção do navio havia começado três anos antes, em Belfast, na Irlanda. O projeto fora comandado por Thomas Andrews, um jovem exponente da construção naval, designer chefe da Harland & Wolff. Aos 39 anos de idade, foi o escolhido para materializar o gigante dos mares.

O nome da nave foi escolhido para não deixar dúvidas sobre a sua grandiosidade e imponência. E tal qual aos heróis das histórias mitológicas de outros tempos, a tarefa de sobrepor-se à natureza foi dada aos arquitetos, engenheiros, cientistas, operários e construtores envolvidos em sua criação. Com espanto, admiração, incredulidade e fascínio, a humanidade acompanhava o gigante tomar forma para ganhar os mares.

Conheça diferentes plantas e desenhos do Titanic, publicados na época pelos mais diversos órgãos de imprensa.

Leia mais:
# O palácio que viajava sobre as águas
# Há um século, Titanic iniciava sua trágica história
# Há cem anos, Titanic era lançado ao mar

Leia tudo aqui:

# Titanic ArquivoEstado

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista,  Carlos Eduardo Entini e Rose Saconi
Reprodução de imagens: José Brito
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo | facebook/arquivoestadao | Instagram