Alunos da zona sul estão preocupados com os impactos da urbanização
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Alunos da zona sul estão preocupados com os impactos da urbanização

Escola realiza estudo de campo em busca de nascentes de rios; durante o percurso, os alunos encontraram praça abandonada

Renata Okumura

06 Outubro 2017 | 15h27

SÃO PAULO – Estudantes demonstram interesse por atividades que abordam os desafios ambientais da capital paulista. Para deixar os alunos mais próximos da realidade da cidade, escola localizada no Paraíso, na zona sul, realiza estudos de campo. O trabalho mais recente envolve a descoberta de nascentes de rios e a importância para a cidade.

Rua Abílio Soares Foto: Renata Okumura


“Muitas pessoas não sabiam que tem nascente de rio na região. Eu acho importante a atividade porque as aulas ajudam a entender o que pode acontecer se não cuidarem dos rios. Eu me preocupo. O que eu faço em casa? Procuro tomar banho de um minuto. Sou rápido”, enfatizou Vinícius Canabarro, de 11 anos, que está no 6º ano e participou do estudo de campo.

Na Praça Elias Salim Abeid, próxima a Avenida 23 de Maio e a Rua Vergueiro, existe a nascente de um rio. Mas no local, os alunos encontraram muito lixo. Segundo eles, a praça deveria ser preservada. “Deveriam colocar placas para informar que existe uma nascente de rio no local”, pediram eles.

Alunos demonstram curiosidade pelas nascentes de rios em SP Foto: Divulgação

A aluna Fernanda Mendes, de 11 anos, também do 6º ano, acrescenta que é importante saber o que está acontecendo com as nascentes de rios da cidade. “Vimos um documentário em Santos, no litoral, sobre rios ocultos. Precisamos ser mais conscientes sobre a situação. A praça suja pode contaminar a água da nascente”, reforçou ela.

No Ibirapuera, os alunos puderam ouvir o barulho da água do rio correndo por baixo das vias que chegam ao parque.

Fernanda também lembra as curiosidades do estudo de campo. “É grande o barulho de carros que passam em volta. Porém, de repente a gente escuta o barulho de água correndo embaixo do poço, dá para saber que existe um rio oculto. Aprendi também que o Parque do Ibirapuera foi construído para ajudar a escoar a água da chuva e evitar enchente. Antes do parque era só brejo”, ressaltou a jovem aluna.

O professor de ciências e coordenador do projeto, Stephan Bovollon, explica que o projeto reúne conteúdos de geografia, história e ciências. “O objetivo do trabalho é investigar as nascentes de rios na cidade. Quando o urbanismo foi planejado não se levou em consideração possíveis problemas com a crise hídrica, por exemplo. Se a urbanização tivesse sido focada no meio ambiente e em nascentes, não teríamos tantos problemas ambientais. Seria importante verificar com as autoridades o que pode ser feito para amenizar esses problemas”, destacou Bovollon.

A Prefeitura Regional Vila Mariana informa que a limpeza da praça foi realizada. A regional Vila Mariana ressalta que está à disposição para receber os alunos e a direção do colégio para dialogar sobre os projetos que pretendem apresentar.

“No que tange a colocação de placa indicativa de nascente, é necessário encaminhar o pedido à Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU) da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL). O procedimento para consultas à Comissão está disponível no site”, finalizou a nota.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.