Estação Barueri da CPTM tem comércio clandestino de bilhete e elevador quebrado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estação Barueri da CPTM tem comércio clandestino de bilhete e elevador quebrado

Passageiros também reclamam de mato alto na estação de trem localizada na região metropolitana de São Paulo

Renata Okumura

12 Maio 2017 | 18h10

SÃO PAULO – Logo na entrada da Estação Barueri da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), vendedores ambulantes anunciam: “Passagem na promoção por R$ 3, mais barato que na CPTM (Vendido a R$ 3,8)”. A reportagem da ‘Blitz Estadão’ flagrou alguns usuários pagando a passagem na escadaria da estação. Em seguida, um jovem se dirigiu até a catraca para passar o bilhete. Em menos de 10 minutos, ele repetiu a ação por três vezes.

Jovem passa bilhete clandestinamente para usuário (Foto: Renata Okumura)

Um passageiro, que preferiu não ser identificado, disse que isso ocorre diariamente. “Algumas vezes, alguns seguranças da CPTM ficam na entrada para coibir a presença dos vendedores ambulantes. Mas, na maioria das vezes, eles ficam em frente à estação oferecendo a venda do bilhete clandestinamente”, denunciou.

Venda clandestina de bilhete (Foto: Renata Okumura)

Confira vídeo a seguir:

Ao passar pela catraca, outro problema foi verificado. O elevador está interditado há mais de seis meses, o que dificulta o acesso à plataforma de quem tem mobilidade reduzida. O cadeirante Leandro Kdeira, de 34 anos, relata que as pessoas com deficiência são obrigadas a pegar o trem das plataformas 1 e 2 e ir até Jandira. “Elas têm que ir até Jandira, três estações para trás, para descer e pegar o trem voltando no sentido da estação Júlio Prestes. É muito transtorno. Sem contar que retiraram todos os agentes de segurança das plataformas que auxiliam no embarque e desembarque. Há estações com seguranças femininas, mas elas alegam que não têm força física para auxiliar nas plataformas, devido ao vão entre o trem e a plataforma ser muito grande na maioria das estações”, desabafou Kdeira.

O cadeirante Leandro Kdeira diz ainda que os seguranças que ficavam nas plataformas agora atuam dentro dos vagões. “É muito grande o comércio clandestino dentro dos trens que seguem principalmente em direção a Júlio Prestes, e passam pela Barra-Funda. Os funcionários vão combater o comércio clandestino e ficamos sem seguranças nas plataformas”, acrescentou.

Cadeirante Leandro Kdeira (Foto: Renata Okumura)

Ao chegar à plataforma da estação Barueri, na Linha-8 Diamante, com destino à estação Júlio Prestes, foi possível observar que a poda do mato nos trilhos da estação Barueri também não tem sido feita com frequência. A advogada Mirela Pereira, de 37 anos, reforça que é uma questão de segurança. “Além da limpeza, há risco também para os passageiros. Não dá para ver se alguém está escondido”, ressaltou.

Passageiros reclamam de mato alto na estação Barueri da CPTM (Foto: Renata Okumura)

Sobre o elevador quebrado, ela reforçou as dificuldades que já presenciou. “As autoridades deveriam se comover mais com as pessoas que têm mobilidade reduzida”, destacou Mirela Pereira.

Em nota, a CPTM informa que a Estação Barueri, na Linha 8-Diamante, conta com dois elevadores, um em cada plataforma. “Um deles apresentou falha e a previsão da equipe de manutenção é que a operação do equipamento seja restabelecida em até um mês. A Companhia lamenta o transtorno aos usuários e informa que os empregados da estação estão aptos a auxiliar cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida a se locomover nas dependências da estação, inclusive utilizando as escadas rolantes que dão acesso às plataformas. Já o serviço de limpeza e capinagem dos trilhos próximos à estação será realizado na próxima semana”, ressaltou a nota.

Sobre comércio ambulante, diariamente, as equipes de segurança da CPTM atuam uniformizadas ou descaracterizadas (sem uniforme), promovendo rondas nos trens e estações para coibir o comércio ambulante, que é uma infração administrativa cuja sanção é restrita à retirada do usuário do sistema e apreensão da mercadoria que está sendo comercializada.

A CPTM também esclarece que a equipe de Segurança realiza fiscalizações no limite das dependências da CPTM e nas linhas de bloqueios (catracas) das estações, visando evitar irregularidades que possam ser cometidas, inclusive no uso de bilhetes. Na área externa das estações, a responsabilidade é da Secretaria de Segurança Pública.

A CPTM está colaborando com as autoridades policiais, responsáveis pelas investigações desse tipo de fraude. Inclusive, a SPTrans que é a gestora do Bilhete Único também está envolvida no combate às fraudes do BU. Neste ano, 183 pessoas já foram flagradas comercializando ilegalmente os créditos na CPTM e encaminhadas para as Autoridades Policiais.

Atualmente, 75% dos usuários acessam o sistema de forma autônoma, utilizando cartões do Bilhete Eletrônico sem a necessidade de passar pelas bilheterias das estações.

A nota reforça ainda que uma importante ferramenta que tem auxiliado os agentes de segurança é o SMS-Disque Denúncia. Através do celular 97150-4949 ou do 0800-055-0121, os usuários podem denunciar irregularidades. O serviço de mensagens, que garante o anonimato do denunciante, funciona 24h por dia.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.