Moradores denunciam exploração infantil em Campo Belo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Moradores denunciam exploração infantil em Campo Belo

Muitas crianças ficam expostas ao abuso e insalubridade na Praça Salvador Strano, segundo relatos da população do bairro

Renata Okumura

13 Setembro 2017 | 16h44

SÃO PAULO – Moradores do Campo Belo, na zona sul da cidade, cobram auxílio das autoridades com relação às crianças que são vistas diariamente na Praça Salvador Strano. Acompanhados dos adultos, os menores de idade ficam expostos ao lixo, ao abuso, de acordo com relatos da população do bairro.

Moradores da região criticam descaso com menores Foto: Renata Okumura


Moradores reforçam que as crianças deveriam receber auxílio das autoridades para estudar, brincar e ter acesso à saúde. “Afinal, de quem é a responsabilidade? E quem assumirá esta responsabilidade quando algo ocorrer às crianças, que continuam expostas à insalubridade do local e ao permanente risco de atropelamento? Há situações até de crianças que acendem fogueiras sem acompanhamento de adultos e podem ser queimadas”, questionou e alertou uma moradora da região que preferiu não ser identificada.

Além da sujeira no local, que pode provocar doenças, há ainda o risco de atropelamento. “Há uma criança de fraldas que fica andando sozinha pela calçada, e que pode a qualquer momento atravessar a rua e ser atropelada”, lamentou uma moradora.

Menores de idade em situação vulnerável Foto: Renata Okumura

Procurada, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social informa que tem intensificado o atendimento social às famílias que se encontram na Praça Salvador Strano.

“O Conselho Tutelar de Santo Amaro já foi notificado da problemática por meio de três ofícios, além de relatórios informativos enviados à Promotoria da Infância e Juventude de Santo Amaro para providências em relação ao caso”, garantiu a nota.

No dia 21 de agosto, houve reunião na Promotoria para discussão de casos. A SMADS têm ofertado diariamente vagas em sua rede de acolhida às famílias. No entanto, a recusa é imediata. O foco de trabalho do SEAS Santo Amaro, neste momento, tem sido o grande investimento de forma a esgotar todas as tentativas no tocante a necessidade de acolhimento.

“Cabe ressaltar que a Secretaria não tem autonomia para retirar essas famílias compulsoriamente – cabe ao Poder Judiciário essa atribuição”, finalizou a nota.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.

Mais conteúdo sobre:

CriançasAbusoCampo Limpo