SP: Fogo e cerveja são exaltados na última noite do Grupo Especial

Estadão

06 Março 2011 | 09h45

Homenagens ao sal, ao fogo e à cerveja, entre outras, tomaram a Passarela Adoniran Barbosa na noite de sábado, 5, no Sambódromo de São Paulo. A primeira escola a desfilar foi a Nenê de Vila Matilde, que retornou este ano ao grupo especial. A agremiação entrou com 45 minutos de atraso por conta da falta de guindastes para alçar os destaques aos carros alegóricos, mas concluiu o desfile dentro do tempo regulamentar. No último carro, um boneco gigante representando Alberto Alves da Silva, o Seu Nenê, morto em outubro do ano passado, emocionou a arquibancada. O enredo “Salis Sapientiae – Uma História do Mundo!” exaltava a riqueza do sal.

Veja também:

videoTV Estadão mostra os destaques dos desfiles


especialEspecial: Navegue pela história do carnaval

lista Relembre os destaques da primeira noite

mais imagens As musas do carnaval paulistano

mais imagens As rainhas da bateria do carnaval paulistano

Logo depois veio a Águia de Ouro com sua viagem luxuosa pela história do fogo, uma lembrança bem-vinda em meio ao vento frio que teimava em bater na avenida durante a madrugada. No carro abre-alas, um vulcão soltava chamas e lembrava o clima quente da era dos dinossauros. A partir do enredo “Com Todo Gás, Águia de Ouro é Fogo!”, a escola também representou o conforto que o gás propicia hoje aos homens, com mulheres seminuas tomando banho dentro de um box de banheiro.

A terceira escola a desfilar – Mocidade Alegre – explorou a fronteira entre o mundo dos sentidos e as ilusões. A agremiação caprichou na comissão de frente, com letras que formavam o título do enredo – “Carrossel das Ilusões” – em constante movimento. O carro que representava o cinema em 3D quebrou e não entrou na avenida, mas a escola conseguiu cumpriu a exigência regulamentar de colocar na passarela quatro carros alegóricos.

Se na sexta-feira, 4, o centenário Teatro Municipal de São Paulo ganhou uma homenagem da Unidos da Peruche, neste sábado foi a vez do Teatro Amazonas ser exaltado pela Unidos de Vila Maria. Dois carros imensos, com as dimensões máximas que o sambódromo comporta, representavam a casa de ópera erguida no século 19 em Manaus com a riqueza do ciclo da borracha.

Em seguida entrou a X-9 Paulistana, com o enredo “De Eterna Criança a Embaixador da Esperança: Renato Aragão, Didi Trapalhão!”, em homenagem ao humorista que completa 75 anos de vida e 50 anos de carreira. Renato Aragão estava no alto de um carro alegórico, ao lado de um Cristo Redentor lembrando o incrível feito do humorista – que escalou o braço da estátua até alcançar a sua mão. Um dos pneus do carro de Aragão estourou, contudo sem prejudicar sua chegada ao final da avenida em segurança.

Por volta das 5 horas, homens de agasalhos alvinegros correram pela avenida vazia atirando milhares de bandeirolas ao público, em um prenúncio da chegada da Gaviões da Fiel. A escola, como de costume, empolgou a plateia e fez a arquibancada parecer um estádio, com sinalizadores de fumaça e faixas gigantescas. Neste ano, a Gaviões trouxe mais cores nas fantasias e alegorias, fugindo do habitual preto e branco para exaltar o emirado árabe Dubai, com o enredo “Do Mar de Pérolas e das Areias do Deserto à Cidade do Futuro”.

Fechando o desfile, entrou a Império de Casa Verde com uma homenagem à cerveja – patrocinada por uma cervejaria. O enredo “Combustível da Ilusão” foi pano de fundo para carros que lembravam o consumo da bebida pelos egípcios antigos, pelo povo viking e os alemães, até chegar aos brasileiros. O último carro alegórico homenageava a Camisa Verde e Branco, escola madrinha da Império da Casa Verde, que há duas décadas venceu o carnaval paulista defendendo o mesmo tema. (Bruno Lupion, com informações da Agência Estado)

Perdeu a festa? Veja como se saiu sua escola e confira vídeos e galerias de fotos:

linkImpério fecha desfiles com enredo sobre cerveja

linkGaviões empolga e faz apresentação sem problemas

linkX-9 presta homenagem a Renato Aragão

linkVila Maria é uma das favoritas

linkCarro quebrado afeta desfile da Mocidade

linkÁguia aquece noite fria paulistana

linkNenê: atraso e emoção marcam desfile

Mais conteúdo sobre:

São Paulo