Porto da Pedra muda para buscar título

Estadão

08 Março 2011 | 04h08

[galeria id=302]

RIO – A Porto da Pedra, quinta escola a se apresentar no segundo dia de desfiles no Rio de Janeiro, entrou na Sapucaí para disputar o título. Pode parecer estranho, mas nos últimos anos a escola não fez isso. “Antes a ideia era desfilar para não cair. Agora vamos desfilar para ganhar o carnaval”, afirma o presidente da vermelho e branco, Francisco José Marins Ferreira.

A chuva deu uma trégua e a escola surpreendeu com um desfile lúdico e criativo, com alguns efeitos especiais. A escola vermelho e branco de Sâo Gonçalo chamou vários artistas para homenagear a autora e diretora de teatro Maria Clara Machado, fundadora do Tablado.

Ex-alunos do famoso curso abriram o desfile, entre eles, o comediante Leandro Hassoum. O ponto alto do desfile foi a homenagem ao personagem Pluft, o fantasminha. Sobre a bateria da Porto da Pedra, uma bailarina “voava”, suspensa por um balão de gás.


O carro abre-alas da escola tinha 50 metros de cumprimento e representou uma verdadeira viagem ao imaginário do teatro.  Na apresentação, Maria Clara Machado foi representada pela atriz Louise Cardoso. A melhor colocação já obtida até hoje pela escola de São Gonçalo no Grupo Especial foi um quinto lugar.

A rainha da bateria da Porto da Pedra foi Ellen Rocche. No dia em que foi coroada, em 28 de janeiro, disse estar apaixonada pela escola. “Fui recebida com muito carinho por todos. Estou muito feliz e quero representar muito bem a Porto da Pedra na avenida.” (Mônica Ciarelli e Renan Carreira)

Confira o samba-enredo da Porto da Pedra:

Um pedaço de papel

Pano, cores, ilusão

Vai girando o carrossel

Nas asas da imaginação

Clara, “a menina dos meus olhos”

Criadora do impossível, sonhadora feito eu

Em tudo que ela escreveu

Um aprendiz de feiticeiro a formular o amor

E a princesa recebeu a flor

A fera foi pra outra dimensão

Amigo de Deus, Noé entendeu

O mundo em transformação

A bruxa boa vem aí, eu quero ver!

O saboroso elixir, eu vou provar!

No vento vendaval da liberdade,

Um samba de verdade vai passar

Quem não sonhou jamais amou

Não sabe o que é se libertar

Não viu o trem, nem o colar?

O sonho sempre vem pra quem sonhar!

Vai, vai, vai, vai, vence logo esse medo

“Prega uma peça” à esperança?

Vem no galope o corcel, feito azul do céu

E a magia da criança

Em busca da alegria, seu poder de encantar

Criando sonhos, recriando a fantasia a brincar

No tablado consagrando a criação

É a arte, vida em transformação

Meu tigre chegou, aplausos no ar