1. Usuário
Assine o Estadão
assine
terça-feira 13/01/15 05:12

Erros de interpretação sobre Paris

Há dois erros de interpretação a respeito do atentado do último dia 7 de janeiro, em Paris, contra o jornal Charlie Hebdo, que resultou na morte de 12 pessoas. Em primeiro lugar, ele vem sendo apresentado sobretudo como aquilo que não é: um atentado contra a liberdade de imprensa. A imprensa nunca foi livre, pois ou ela pertence ao poder público, ou ao poder privado. Não há uma terceira opção. O que existe, no máximo, é a liberdade de empresa, ...

Ler post
quinta-feira 18/12/14 09:00

O “outro lado” e os limites da violência legítima

Uma das críticas que mais se repete acerca do relatório apresentado pela Comissão Nacional da Verdade (CNV) diz respeito à ausência de referências aos abusos cometidos pelos grupos armados na luta contra o regime militar. Com efeito, legalmente, nada impediria que a CNV investigasse esses casos e revelasse quem foram os responsáveis por ações que, tendo ou não atingido o objetivo pretendido pelos autores, resultaram na morte ou em graves ferimentos de pessoas alheias à disputa política então em curso ...

Ler post
segunda-feira 15/12/14 14:23

Os limites da liberdade de expressão

Seriam legítimas as manifestações públicas que pedem uma intervenção militar? Ou, colocado em outros termos, pode qualquer cidadão, no exercício dos direitos de reunião e de manifestação do pensamento, vir a público e clamar por uma ação das forças armadas para derrubar governo constitucionalmente eleito e, com isso, violar as normas fundamentais do Estado democrático de direito? Até 2011, diversas decisões judiciais proibiram atos públicos em favor da legalização das drogas, alegando que essas ações constituiriam apologia de crime. Se assim ...

Ler post
sexta-feira 24/10/14 05:04

A (in)constitucionalidade da urna eletrônica

A introdução da urna eletrônica no processo eleitoral teve dois tipos de consequências: de um lado, no plano prático, ela permite que as eleições sejam rapidamente apuradas, que seus custos sejam reduzidos, que não haja mais, como havia no tempo em que se utilizavam cédulas de papel, dúvidas acerca de um voto dado, de um nome ou número escrito na cédula ou, senão, de erros humanos involuntariamente cometidos na contagem manual. Aliviou, em suma, tanto o trabalho de todos os operadores diretamente envolvidos no processo eleitoral (p.ex., juízes, procuradores, cidadãos da comunidade) como a ânsia de quem deseja conhecer o resultado final do pleito dentro da maior brevidade possível.

De outro lado, porém, essa sofisticação tecnológica que substitui a contagem manual pela eletrônica substitui também o modo de fiscalizar o procedimento eleitoral, limitando o acesso de quem não for especialista. No tempo em que se utilizava cédula de papel e a contagem de votos era manual, qualquer cidadão poderia observar e compreender uma apuração; hoje, no entanto, somente alguns cidadãos poderão fazê-lo, pois, sendo a contagem eletrônica e realizando-se ela no interior de uma máquina, apenas especialistas terão condições de avaliar se ocorreu ou não algum tipo de violação na transmissão de dados. Em outras palavras, houve a substituição de um controle que poderia ser realizado por qualquer pessoa por um controle que somente pode ser feito por especialistas e que obriga o leigo a pedir que alguém, o Estado ou alguma entidade privada, exerça, em seu lugar, um direito seu. Se, antes, havia transparência para qualquer indivíduo que acompanhasse as apurações, agora já não há mais.

Por essa razão, em julgamento realizado no ano de 2009, a Corte Constitucional alemã considerou inconstitucional a utilização de urna eletrônica, argumentando que o sistema eletrônico impede que os eleitores exerçam um controle eficaz, pois uma parte essencial do procedimento, a contagem de votos, ocorre dentro de máquinas. Uma vez sanada a falta de transparência, porém, nada deveria impedir a utilização do equipamento.

A urna eletrônica combinada com voto impresso tem figurado entre as propostas para suprir essa lacuna. Em linhas gerais, esse tipo de urna funciona da seguinte maneira: o eleitor vota, uma impressora imprime o voto, o eleitor retira esse voto impresso da máquina, confere, dobra-o e deposita-o numa urna física. Com isso asseguram-se os dois tipos de contagem, a eletrônica e a manual, e a transparência necessária para garantir a constitucionalidade do procedimento.

No Brasil, a Lei 12.034/09 instituiu o voto impresso, adotando porém um outro tipo de esquema: nesse caso, depois de votar, o eleitor veria na tela a reprodução do voto dado, confirmaria a informação, uma cédula seria, em seguida, impressa e depositada automaticamente, sem contato manual, em local previamente lacrado. Esse voto receberia um número associado à assinatura digital da urna eletrônica, o que permitiria tão-somente saber que aquela cédula pertencia àquela urna. Ora, poderá um eleitor leigo ter certeza de que o voto depositado na urna lacrada é o voto que ele efetivamente deu? Ainda que se pudesse alegar que semelhante sistema não sanaria a falta de transparência, não foi por esse motivo que, em 2013, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou, por unanimidade, inconstitucional o dispositivo que introduziu essa modalidade de voto impresso no processo eleitoral brasileiro. Em vez de uma real falta de transparência, o principal argumento esgrimido contra a norma foi a possibilidade de violação do artigo 14 da constituição federal, que assegura o sigilo do voto. Isso porque entenderam a Procuradoria Geral da República (PGR), autora da ação, e os ministros do STF que o sistema implantado permitiria a identificação dos eleitores e de seus respectivos votos. Além disso, outras suposições e preocupações de natureza administrativa foram apresentadas como justificativa para declarar a inconstitucionalidade da norma: que o voto impresso seria um “foco de vulnerabilidades”; que “a introdução de impressoras potencializaria falhas e atrasaria o trabalho nas seções e zonas eleitorais do País”; que “a porta de conexão do módulo impressor abre-se a fraudes que podem comprometer a eficiência do processo eleitoral”; que haveria aumento de custos e demora na apuração e na divulgação dos resultados da eleição; que se houvesse falha na impressão ou travamento do papel da urna eletrônica, seria necessária a intervenção humana para solucionar o problema, e os votos registrados até então ficariam expostos à pessoa responsável pela manutenção do equipamento.

Em resumo, enquanto a corte constitucional alemã, diante da efetiva falta de transparência, sugeriu que a inconstitucionalidade da urna eletrônica poderia ser sanada com a introdução do voto impresso, o STF, diante da mera possibilidade de violação do artigo 14 da constituição, declara inconstitucional o mesmo voto impresso. No lugar da transparência, princípio fundamental da ordem democrática, o tribunal brasileiro opta pela confiança: a confiança nas auditorias, a confiança nos técnicos e na integridade técnica do sistema, a confiança nos responsáveis pela gestão da fiscalização, em suma, a confiança como a manifestada pela Ministra Relatora Carmen Lúcia, na época igualmente Ministra Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE): a “auditoria não só pode como é feita. Mas, ao contrário do papel, ela fica em sistemas completamente inatacáveis por quem quer que seja”.

Ler post
quarta-feira 24/09/14 11:55

Injúria racial e responsabilidade coletiva

O episódio das manifestações racistas provenientes da torcida do Grêmio contra o goleiro Aranha, do Santos, ocorrido no último dia 28 de agosto, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, enseja, tanto no plano moral, como no jurídico, dois tipos de responsabilidades: de um lado, temos a responsabilidade individual da torcedora Patrícia Moreira da Silva, flagrada pelas câmeras de televisão xingando o jogador santista de “macaco”. Do ponto de vista moral, a moça violou regras básicas que têm como mandamento de ...

Ler post
terça-feira 09/09/14 05:04

O reconhecimento da transexualidade: o caso alemão

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) deverão em breve decidir sobre a possibilidade de um transexual alterar o gênero de sua documentação, sem que para tanto tenha que mudar de sexo, mediante procedimento cirúrgico. Trata-se de caso em muitos aspectos semelhante ao julgado pela corte constitucional alemã, em 2011, em pleito feito por pessoa de 62 anos que nascera homem, mas se sentia como mulher homossexual. Seu prenome já havia sido mudado, mas, como ela não se submeteu a ...

Ler post
sexta-feira 15/08/14 10:57

Crimes de guerra e a punição de seus responsáveis

No contexto dos conflitos na faixa de Gaza, relatório elaborado por equipe de investigação da ONU concluiu, e o Conselho de Direitos Humanos (CDH) endossou, que, na guerra de 2008-2009, tanto membros das forças israelenses, como membros dos grupos armados palestinos cometeram crimes de guerra: os israelenses, por terem desferido ataques desproporcionais na região; os palestinos, pelo lançamento indiscriminado de foguetes contra alvos civis em Israel. Em 24 de julho passado, o CDH adotou resolução em que se anuncia o ...

Ler post
terça-feira 03/06/14 05:40

Ainda sobre Nação e copa do mundo

Meu artigo “Nação e copa do mundo” publicado neste espaço rendeu diversos comentários, alguns agressivos e mal educados. Não obstante o nível demonstrado, autorizei, como sempre faço, a publicação de todos, pois os comentários falam mais e melhor sobre seus respectivos autores do que eu jamais seria capaz de fazer. Esqueçamos, porém, aquilo que não interessa, a forma dos comentários, e concentremo-nos em seu conteúdo, especificamente numa crítica que se repetiu e que dizia respeito a um aspecto periférico do texto: ...

Ler post
quarta-feira 21/05/14 06:26

Nação e copa do mundo

Com a proximidade da copa do mundo, o verde-amarelo começa a ganhar as ruas, decorando bares, calçadas, casas e sítios de toda sorte. Em breve, a Nação brasileira estará em êxtase. Mas, o que é Nação, seja ela brasileira, ucraniana ou russa? Trata-se de termo bastante impreciso. Em linhas gerais, pode-se dizer que ele designa uma invenção humana capaz de assegurar coesão de um determinado grupo social e de condicionar as ações de seus membros. Em nome da Nação, exige-se lealdade ...

Ler post