Como um tiro em Reagan ajudou a retratar os excluídos do mundo

Como um tiro em Reagan ajudou a retratar os excluídos do mundo

Edmundo Leite

30 Março 2011 | 15h56

É a velha história de estar no lugar certo na hora certa. Sebastião Salgado nem deveria estar lá. Fotógrafo já com algum prestígio em 1981, o brasileiro foi parar em Washington por acaso, pautado de última hora pela revista do New York Times. Era para fazer imagens para um balanço dos 100 dias de governo de Ronald Reagan.

Acabou sendo o único a registrar, há exatos 30 anos, a sequência do atentado a tiros que o maluco John Hincley Jr. fez contra o presidente americano para impressionar a jovem atriz Jodie Foster.  Os detalhes do lance de sorte de Salgado foram contados numa reportagem assinada por Tarlis Batista na extinta revista Manchete seis meses depois (clique nas imagens abaixo para ler).

O dinheiro que ganhou com a venda das imagens permitiu a Salgado ter a independência financeira para começar a realizar os trabalhos que  o consagraria anos depois, retratando o mundo com seu estilo único, com ênfase nas  populações excluídas.

Veja o site da agência Amazonas Images, de Sebastião Salgado.