Averiguando o mistério
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Averiguando o mistério

Redação

20 Outubro 2010 | 12h40

Depois de aprendermos com Paco Sánchez a importância de “mirar, escuchar, pensar y saber contar”, o editor do Estado Marcelo Beraba deu uma aula sobre um dos pontos cruciais na vida de um jornalista: a apuração – que, se bem feita, ajuda a manter a credibilidade, considerada um patrimônio do profissional da imprensa.

Com o intuito de ilustrar a técnica, Beraba destacou cinco fundamentos para uma boa apuração: observação, pesquisa (conhecimento), entrevista, documentação e rechecagem. Ele evidenciou, por exemplo, a importância de se preparar para fazer uma entrevista – sempre que possível formular perguntas de antemão e, dessa forma, ter um roteiro para seguir. Tudo isso baseado em uma eficiente pesquisa, é claro.

Tais dicas e conselhos ajudam a evitar apurações deficientes, as quais podem gerar erros graves que afetam a credibilidade de um veículo ou profissional. Foi o que aconteceu no episódio citado por Beraba. Em agosto de 2000, o Correio Braziliense deu como manchete O Correio errou. Essa foi a maneira encontrada pelo jornal para corrigir a falha causada por uma apuração incompleta – no dia anterior, havia sido publicada uma reportagem – intitulada O grande negócio de Jorge – com falsas denúncias de corrupção que envolviam o ex-secretário do Palácio do Planalto Eduardo Jorge.

O exemplo apresentado por Beraba, sem dúvida, ajuda a perceber o grande transtorno causado por uma apuração deficiente, mostrando que esforço e empenho são requisitos essenciais para o jornalista.

Amon Borges, de 22 anos, é formado em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e estuda Filosofia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)