Sobre o bom jornalismo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sobre o bom jornalismo

Redação

08 Outubro 2010 | 19h51

Como se formam bons jornalistas? Não foi exatamente com esta pergunta que Paco Sánchez começou sua primeira aula no curso, na última quarta-feira, mas ele nos deu boas ferramentas para pensar sobre o assunto. Professor e colunista do jornal espanhol La Voz de Galicia, Paco fica com a gente até a terça, 12, e já deu para sentir o quanto isso vai enriquecer a nossa relação com a profissão.

Alguns colegas já falaram aqui neste espaço sobre os três verbos que norteiam a apuração: mirar, escuchar e pensar. Mas a tecla mais reforçada por Paco foi a de que o jornalista deve ser, sobretudo, um leitor. Mas não um simples leitor. “Ele deve ler pelo menos um metro de livros (empilhados na horizontal!) por ano e mais de dois jornais por dia.” Só assim, segundo ele, poderemos nos inteirar bem da cultura na qual estamos inseridos para poder nos comunicar dentro dela.

A segunda dica para se escrever bons textos: escrever. Quanto? Pelo menos duas mil palavras por dia, em um exercício que Paco chamou de insistência. A inspiração existe, mas ela é uma descendente direta da transpiração. Ser familiar às palavras – ao DNA das palavras, na língua do Paco – é condição fundamental para utilizá-las bem. A apuração também é etapa fundamental do processo de escrita. “Temos de escrever apenas 10% de tudo o que apuramos”, ensinou Paco. Caso contrário, não saberemos o suficiente sobre o que vamos reportar.

Além dessas dicas práticas, Paco reforçou duas características indispensáveis para bom jornalista. Essas, mais difíceis de serem ensinadas: a humildade e o interesse pela natureza humana. Mergulhar no universo do outro – e abrir mão temporariamente dos próprios valores – é tarefa dura, mas sem a qual não se tem uma grande apuração.

Érica Saboya, de 24 anos, cursa o último semestre de Jornalismo na PUC-SP

Mais conteúdo sobre:

Érica SaboyaPaco Sánchez