A esquerda do futuro

A esquerda do futuro

Morris Kachani

13 Outubro 2017 | 09h09

Foto: Ricardo Graça

Aos 31 anos, prestes a ser pai pela primeira vez, Gregorio Duvivier é um fenômeno.

Seus esquetes no Porta dos Fundos dispensam apresentações. Já escreveu três livros e se prepara para lançar um quarto, de poesia. Participou de dezenas de filmes e comédias no cinema e na TV. É de fato, um multitalentoso artista.

De suas trincheiras na Folha de S. Paulo, onde mantém coluna semanal, ou apresentando seu programa GregNews, que encerrou a primeira temporada em alta na HBO, tendo já programada uma segunda, para o ano que vem, Gregorio também canaliza sua verve como cronista de política e bons costumes rs


No GregNews, 10 redatores, entre jornalistas e humoristas, trabalham com afinco, para deixar em pé um discurso afinado que versa sobre temas como a crise na Venezuela, escola sem partido, carga tributária brasileira ou… os poderes da família Calheiros, com direito a exibição de vídeo que eu próprio protagonizei, como repórter, para o TV Folha, nos idos de 2013, http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/03/1239817-reduto-politico-de-renan-calheiros-para-em-dia-de-jogo-de-futebol.shtml.

Já fazia um tempo que eu vinha me programando de entrevistá-lo. E, depois do Kim Kataguiri, do MBL, achava que o momento não podia ser mais oportuno.

Foi uma felicidade encontrar no mestre Millôr Fernandes, uma referência para Gregorio. Admito que minhas inclinações pessoais dialogam muito mais com esse escrete do que com a turma do Kim. Gregorio é mais maduro e mundano, digamos. Mas admito também, que ambas entrevistas me trouxeram novas perspectivas sobre a concepção de esquerda e direita, no Brasil de hoje. E assim o blog segue seu caminho, estimulando o diálogo e buscando ecoar as vozes que habitam nosso inconsciente – goste-se delas ou não.

*

“Me considero completamente sensato, a voz do bom senso, em primeiro lugar. Se sou radical em alguma coisa, é no direito à liberdade. Acho lindo ser liberal no sentido americano, onde a liberdade é venerada como um bem supremo inegociável”

“Não acho que a URSS era de esquerda. O problema da esquerda daqui é o flerte com Venezuela, Cuba, lugares onde a conservação do poder está na mão das mesmas pessoas, onde se criou uma elite. Se é ditadura, não é de esquerda”

“Duvido que um candidato progressista seja eleito ano que vem. Acho que a gente está entrando sim num ciclo conservador. A classe média enriquece e vira conservadora”

“Lula fez um discurso no passado, agora o povo tem carne e carro. Puta avanço, entendo, não tinham acesso a esses dois bens. Mas cabe uma crítica, precisava ser carne e carro? Dois símbolos da violência, do que talvez vai nos derrubar, do apocalipse. Discurso típico de um socialismo do século 20”

“Por mais que a gente seja empático ao feminismo, a gente sempre vai ter um machismo entranhado, e percebê-lo é mais importante que negá-lo”

“A polarização entre PT e PSDB não é um recorte da minha geração. Os dois são parecidos, são sociais-democratas com fisiologismo. Não acredito que houve uma grande ruptura entre FHC, Lula e Dilma. Acho que Lula trouxe melhor distribuição. Mas, grosso modo, o governo continuou muito parecido”

“O MBL quer manter Temer no governo. E Doria é um dos únicos políticos pró-Temer”

“A Prefeitura do Rio virou um braço da Igreja Universal. É um governo totalmente teocrático, com vários secretários que são pastores, o de meio ambiente é um pastor que não entende nada”

“O Cabral não governou sozinho. Ele governou abraçado com a elite carioca, uma grande suruba, todas as empresas. Lugares clássicos como o Antiquarius estão desertos hoje em dia, você olha a sua volta e vê a população pobre achacada pela miséria e violência e a rica se sentindo culpada, com razão”

“Jovens só pegam informação através do humor. Humor é o novo rock’n roll para pautar a juventude em termos políticos”

*

Você está no Estadão faz tempo?

Tem uns 4 meses. Construí minha carreira inteira no jornalismo impresso, mas de três anos pra cá migrei para o audiovisual, e hoje coordeno projetos de não-ficção para TV e cinema, na Prodigo. Mas o jornalismo segue correndo em minhas veias, e então criei este blog.  

Jornalismo acaba sendo uma merda em termos de mercado, como roteirista ao menos a vida é menos ingrata.

Mais ou menos, rs

Adoro jornalismo, até pensei em prestar no vestibular. Por sorte não prestei. Acho que a vida em uma redação deve ser muito ingrata. Dizem as pesquisas que é a profissão com o cotidiano mais ingrato, ao lado do policial.  Tem uma coisa parecida nestas duas ocupações, acho que deve ser a impressão de que não está adiantando, por melhor que você faça seu trabalho, não tem como se sentir útil. Você trabalhou 12 horas e a pessoa nem entendeu o que você escreveu ou sequer foi publicado. O médico ao menos sabe que salva vidas.

O último post aqui foi com o Kim Kataguiri, do MBL. Estava pensando se existe um elo possível, entre o papo com ele e um papo contigo.

Não vem dizer que sou o Kim Kataguiri das esquerdas.

Nem eu pensei em você assim.

O que me dá aflição são as falsas equivalências. Como aquela campanha da Heineken, em que uma trans conversa com um transfóbico. A equivalência entre o extremismo e a natureza do outro, que não necessariamente é extremista. A pessoa que é simplesmente aquilo. Não dá para colocar o Bolsonaro de um lado e os gays de outro. Os gays estão sendo eles mesmos, não estão pregando morte.

Li um texto do Rodrigo Nunes, dizendo que a estratégia do extremismo é polarizar e te jogar para o outro lado, como se você fosse o outro lado da moeda. Este é um jogo perigoso, estratégico para eles que querem que você também vá para o extremo. Eles classificam a gente como extremista, mas não me considero extremista.

O que você se considera?

Me considero completamente sensato, a voz do bom senso, em primeiro lugar. Queria muito que o Brasil fosse mais liberal hoje em dia, essa palavra que é palavrão para a esquerda. Acho lindo ser liberal no sentido americano, onde a liberdade é venerada como um bem supremo inegociável. Millôr (Fernandes) e Nelson (Rodrigues), ganharam fama de reacionários, o próprio Nelson abraçou este termo, mas quando você vai lê-lo percebe que ele não negociava com a liberdade. Já os liberais brasileiros não são nada liberais, querem se meter em tudo, na moral, na roupa, nos costumes, nas exposições de arte.

Liberais-interventores.

Se sou radical em alguma coisa, é no direito à liberdade. Sou a favor de obrigar as pessoas a serem livres. Vou dar um exemplo, sobre ensino religioso nas escolas. O cidadão não deve ter o direito de colocar o filho em uma escola onde se estuda criacionismo. Porque a liberdade é um bem maior que a liberdade religiosa. Se eu quero ser um adulto idiota e criacionista, ok. Mas não a criança. Nesse sentido me alinho com o conceito da liberdade francesa, de restringir para dar liberdade.

Tipo a questão de usar burka na praia.

Isso mesmo. Antes de mais nada usar a burka já é uma violência. Se você não proíbe essa violência, a mulher não vai se sentir livre para dizer ao marido o que pensa…

Esse embate da liberdade pessoal é global ou tem um acento brasileiro?

É global, tem a ver com Trump. Mas, pensando bem, o problema Trump é muito brasileiro. Com nuances, mas tem uma direita que parece que cresceu muito graças aos avanços sociais, uma onda reacionária que surge como reação aos avanços dos últimos 20 anos. No que diz respeito à política identitária, por exemplo. Há poucos anos, eu não sabia o que era feminismo, movimento negro. Tanto no Brasil como nos EUA, o que aconteceu foi uma reação diante do medo de perder privilégios.

Existe extremismo de esquerda?

Tendo a usar a definição de esquerda do (Gilles) Deleuze. Para ele não existe governo de esquerda, ele é contra qualquer tipo de totalitarismo, coloca-se a favor da horizontalização. Não acho que a URSS era de esquerda. O problema da esquerda daqui é o flerte com Venezuela, Cuba, lugares onde a conservação do poder está na mão das mesmas pessoas, onde se criou uma elite.

Não existe ditadura de esquerda.

Isso. Se é ditadura, não é de esquerda. Cito o Millôr novamente, que costumava dizer que era o melhor jogador de frescobol do posto 9, em Ipanema. E, se alguém lhe dissesse que não, ele provaria que esse alguém não era do Posto 9. O problema é que se confunde muitas vezes a estética com os fatos. Um governo que surge após uma revolução, mas está centrado numa pessoa só, com uma casta de privilegiados, essa manutenção é só uma troca de privilegiados.

Curioso. Sua forma de falar sobre a esquerda é diferente do Fernando Morais, que entrevistei aqui pro blog.

Os livros do Fernando Morais fazem parte da minha história pessoal de vida. A Ilha, Olga. Eu entendo as pessoas mais velhas, porque em outros tempos a oposição era muito ruim, quem odiava a URSS era a favor de ditadura ou macarthista, como se o inimigo dos seus inimigos virasse seu amigo.

Hoje acho que isso acabou, acho que tem que poder criticar pela esquerda. Criticar a Venezuela, não porque são marxistas, mas porque formaram uma nova burguesia, não se livraram das commodities, podiam ter mudado o país, mas construíram um socialismo ainda com base em petróleo, em pleno século 21.

Lula fez um discurso no passado, de que agora o povo tem carne e carro. Puta avanço, entendo, não tinham acesso a esses dois bens. Mas cabe uma crítica, precisava ser carne e carro? Dois símbolos da violência, do que talvez vai nos derrubar, do apocalipse. Discurso típico de um socialismo do século 20.

Você encontra ecos nas pessoas, no seu jeito de ser de esquerda?

Acredito que a mudança se faz no dia a dia. Acredito em uma rede gigante de solidariedade, não necessariamente partidária, sem vínculo institucional, que consegue assegurar direitos básicos.

Admiro o Guilherme Boulos, dos Sem Teto. A questão da moradia, da luta política, é difícil não se emocionar com aquilo. Leva anos para se conseguir uma casa, um direito tão fundamental quanto saúde e educação.

Defina os termos esquerda caviar e esquerdomacho.

Os dois são parecidos, são tentativas de se invalidar uma postura empática à esquerda. Vem, em geral, para as mesmas pessoas, as que estão tentando se desconstruir, para usar um termo da moda. São pessoas que não estão satisfeitas com a posição de opressores e tentam descontruí-la e claro que não é fácil, elas cometem muitos erros nesse processo, e esses erros têm que ser apontados. É importante que apontem os erros, os machismos entranhados, os classismos. Esses rótulos talvez sirvam para isso, para a gente perceber que não é fácil sair do papel de opressor, é uma eterna busca de se desentranhar de todos os preconceitos que estão milenarmente dentro da sociedade, e dentro de você, claro. Por mais que a gente seja empático ao feminismo, a gente sempre vai ter um machismo entranhado e percebê-lo é mais importante que negá-lo.

De onde vem seu gosto pela política?

De criança eu já gostava de ver debate, de me cercar de pessoas mais inteligentes, amigos muito inteligentes, como por exemplo a Laura Carvalho (economista), que estudou comigo. Não que a gente pense parecido, mas é que a discordância se dá em outro plano, não se trata de uma polarização idiota.

Como define sua geração?

Tenho 31. Sou de uma geração que cresceu já na democracia, Nova República, então acho que não há polarização a favor da ditadura ou a favor de um governo popular e justo. Isso não funciona. Me dou a liberdade de criticar o PT. Fugir da polarização, de seu discurso redutor, a ideia de que quem criticou foi tachado de traidor.

Esse é um recorte geracional, não me sinto obrigado a ser de lado nenhum, é uma característica geracional, a desobrigação. Por exemplo, a polarização entre PT e PSDB não é um recorte da minha geração. Os dois são parecidos, são social-democratas com fisiologismo. Não acredito que houve uma grande ruptura entre FHC, Lula e Dilma. Acho que Lula trouxe melhor distribuição. Mas, grosso modo, o governo continuou muito parecido.

O que acha do MBL?

O MBL poderia ser muito legal. Brasil Livre é uma coisa bonita. Podia ser lindo. No entanto, como todo nome de grupo político, acaba sendo quase uma piada. Preza muito pouco pela liberdade, espertamente conservador, tem se aliado ao que tem de pior. Eles se chocam com exposições e nus, mas chocante é a aliança entre Temer e MBL. Eles são o grupo hoje que quer manter o Temer no governo. E Doria é um dos únicos políticos pró-Temer. Até a maioria do PSDB o quer fora. E o Doria, não.

Viramos oposição. Esse lugar é ótimo. Aproveitar para se organizar. Não queria estar na pele do MBL defendendo o governo Temer.

E as perspectivas do Brasil?

É um momento de construção demorada. Duvido que um candidato progressista seja eleito ano que vem. Precisa de muito tempo. Acho que a gente está entrando sim num ciclo conservador. A classe média enriquece e vira conservadora.

Para mim, o grande problema histórico do Brasil é que não se fez justiça com a ditadura, houve anistia para todos. Não acho que teve crimes dos dois lados, que todo mundo fez besteira. É diferente o poder instaurado cometer crimes e a resistência cometer crimes. Veja o exemplo argentino.

O senso comum no Brasil pensa que ditadura livrou a gente do comunismo, que foi exagerada mas não falhou nessa missão.

Você acredita na sua geração?

Acredito muito, ela é mais politizada que a geração dos meus pais. Antigamente tinha muita gente, mas era preciso romper com tudo, ou você era pró-militares ou pró-terroristas, para usar um termo deles, pra usar um termo deles. E a maioria preferia não se envolver. Hoje não. Há um vasto leque de opiniões políticas. Mas não acho que o MBL seja representante da nova geração, acho que eles são da antiga, tipo PMDB. Não é o novo “Podemos”, é o imobilismo em movimento, é o governismo. Fazem vídeos para internet e por isso são considerados jovens. Mas na ideia não tem nada de jovem. Eles se escandalizam com um corpo nu.

Cinco anos atrás éramos a bola da vez na fala do Obama. Viramos uma roubada?

O Brasil tem um grande passado pela frente, dizia Millôr (risos).

Cara, eu estava lendo aqui o Memórias Póstumas (de Brás Cubas), impressionante como está tudo lá. Jessé Souza e Fernando Haddad, gosto deles, mas tenho discordâncias quanto à visão deles sobre 2013. Eles lêem 2013 como um protesto burguês, germe do impeachment. Como se 2015 tivesse nascido de 2013. Quer dizer, nasceu. Mas a pauta era tarifa zero, contra Cabral, não estava em pauta o fora PT, muito menos a volta da ditadura. O PT não soube dialogar, dialogou com porrada em São Paulo, e perdeu as ruas, a juventude, perdeu tudo, porque não soube dialogar.

A pauta era de melhores serviços públicos. A pauta não era o pato da Fiesp. Só foi instrumentalizado depois, a meu ver. Esta minha única discordância do Jessé. De resto, concordo com ele quando escreve sobre o mito do jeitinho brasileiro e como ele serve para manter as péssimas condições do serviço público. Se o brasileiro é assim, vamos fazer a lei da selva, essa é a ideia.

Que acha de seus amigos que estão saindo do Brasil?

Acho compreensível, claro, meio aflitivo olhar para o país estando em desacordo. Por outro lado, a gente é muito necessário. Gosto muito daqui, seria exagerado dizer que me sinto perseguido ou vitimizado. Ainda consigo exercer humor, comédia, crônica, e faço isso com liberdade. Se não for possível aí é outra coisa.

Acha que isso pode acontecer?

Pessoas nunca imaginam que o pior vai acontecer. Ninguém imaginava que Trump ia vencer. É o absurdo patético.

E o Rio de Janeiro?

O Rio de Janeiro é o maior caso de montanha-russa que conheço. Saímos do topo do mundo para o fundo do poço em 3 anos. Era muito óbvio, todo mundo sabia que o Cabral era corrupto, visitei algumas vezes os acampamentos na frente casa da sua casa. No final, a (ativista) Sininho ficou de maluca e Cabral de herói. Eu já estava falando disso muito antes. Foda dizer bem que avisei, com Sininho perseguida e aparecendo na capa da Veja como terrorista. A única coisa que era óbvia é que Cabral não podia ser governador, que o Barata Filho merecia ser preso – todo mundo sabia.

O Rio consegue se reeguer?

Com o Crivella a tendência é piorar muito. É óbvio que um pastor vai interferir na sua vida. É um governo totalmente teocrático, com vários secretários que são pastores, o de meio ambiente é um pastor que não entende nada, você vai na Prefeitura e tem Folha Universal na entrada. A Prefeitura virou um braço de igreja. Nunca vi igreja salvar uma cidade, só se Deus quiser.

Não tem jeito?

O Rio continua com suas bolhas. A Fernanda Torres percebeu que até o trânsito melhorou por causa da crise. Mas nunca vi a cidade assim tão desoladora. E olha que tivemos Garotinho e César Maia.

Une violência ao desemprego. E também uma certa culpa. O Cabral não governou sozinho. Ele governou abraçado com a elite carioca, uma grande suruba, todas as empresas. Lugares clássicos como o Antiquarius estão desertos hoje em dia, você olha a sua volta e vê a população pobre achacada pela miséria e violência e a rica se sentindo culpada, com razão. A crise assola a todos. Fora a classe artística desesperada. O prefeito deu calote no fomento ao teatro.

Você está fazendo o que da vida?

Coluna na Folha, dois vídeos no Porta dos Fundos por semana, Greg News e teatro eventualmente. Teatro eu gosto para cacete. Escrever também.

A vida de artista no Brasil é muito dura?

Tive muita sorte, faço comédia, um gênero muito aceito. Desde os 17 já me sustentava. Mas muitos artistas talentosos não conseguiram. Não que seja impossível. É lei do mercado mesmo. Com comédia, você consegue uma vida razoável. Mas para um violinista clássico, para um harpista, o Brasil é o pior país do mundo. Meu pai toca sax, fazia shows foda. Poucos gatos pingados iam. Doía no meu peito. Desde pequeno soube que vida de artista não era bom negócio. Mas a comédia me salvou.

Tudo o que você faz é politico?

Agora, estou lançando um livro de sonetos em Portugal. Não tem nada de política, mas acho que tem – escrever poesia é um gesto. Laerte falou uma coisa ótima, humor pode servir tanto de munição como de trincheira. E é o que tenho tentado.

Sobre o GregNews, qual sua avaliação?

É um gênero que gosto muito, comedy news, mix de duas coisas que gosto, humor e política. Nos Estados Unidos tem o John Oliver e uma galera inteira fazendo um trabalho muito legal de resistência ao Trump. Sentia falta como espectador de ver isso no Brasil, o humor com uma carga social.

Jornal impresso acho difícil de ler, não só porque é triste. É duro de entender. Taxa Selic, o que é isso, o que significa? Jornalismo tradicional parte da premissa de que você já sabe de tudo.

Saiu uma crítica ao programa…

Do Mauricio Stycer, dizendo que sentia falta de calor, queria que eu falasse sobre o que acabou de acontecer. Mas o Twitter já está fazendo isso, a internet já está fazendo, a gente tenta algo mais aprofundado mesmo, de pesquisa. Passa por um debate enorme. Leva duas semanas para consultarmos fontes e informação, depois ainda tem os humoristas. São 10 redatores, entre jornalistas e humoristas.

E a diretora, Alessandra Orofino. Alessandra pra mim é mais que futuro, ela é presente, uma pessoa com capacidade de mobilização gigantesca. Partiu dela a ideia de que com humor se pode mudar as coisas. Há uma pesquisa americana dizendo que jovens só pegam informação através do humor, que o humor é o novo rock’n roll para pautar a juventude em termos políticos. Não necessariamente influencia, mas ao menos ficam sabendo o que está acontecendo.

Maconha?

Plante, fume se quiser, mas plantar é bom mesmo se não consumir.

Como se entrelaça a maconha na sua vida?

Todas drogas, incluindo as legais como o álcool e o açúcar, tornam a existência um pouco mais suportável.