O que uma rabugenta e um sonhador podem nos ensinar sobre trabalho e a vida

O que uma rabugenta e um sonhador podem nos ensinar sobre trabalho e a vida

Paulo Silvestre

03 Janeiro 2018 | 17h29

Cena de “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (“Saving Mr. Banks”) em que Walt Disney (Tom Hanks) leva Pamela Travers (Emma Thompson) para conhecer a Disneyland

Cena de “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (“Saving Mr. Banks”) em que Walt Disney (Tom Hanks) leva Pamela Travers (Emma Thompson) para conhecer a Disneyland

Eu adoro cinema! E, como contador de histórias que sou, reconheço seu poder quase mágico de não apenas nos entreter, mas também de nos ensinar e nos inspirar. Não me espanta, portanto, que todos tenham o “filme da sua vida”, cada um escolhido por um motivo totalmente pessoal. Qual é o seu?

Por isso, é muito comum eu partir de filmes para compartilhar algo com quem gosto. Tanto que, na minha última atividade no LinkedIn em 2017, falei sobre o que podemos aprender assistindo ao incrível “O Rei do Show” (“The Greatest Showman”), em cartaz nos cinemas. E aqui trago um pouco do que senti e pensei ao assistir, no primeiro dia do ano, a “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” (“Saving Mr. Banks”, 2013, trailer abaixo), disponível na Netflix, no Google Play e no iTunes.



Para quem não viu, trata-se de um filme que conta os bastidores de outro filme: “Mary Poppins”, obra-prima da Disney lançada em 1964. Ele retrata a história de como o próprio Walt Disney (vivido por Tom Hanks) e parte de sua equipe precisam suar a camisa para convencer a escritora Pamela Travers (Emma Thompson) a conceder os direitos de sua personagem para que o filme seja feito.

Quem resistiria bravamente a vender os direitos cinematográficos de um livro para a Disney transformá-lo em um dos filmes mais aclamados da história? Travers resistiu o quanto pôde.

Apesar de várias liberdades poéticas, o diretor John Lee Hancock consegue explicar essa aparente loucura. E começou pelo confronto de um bando de pessoas sonhadoras e extremamente motivadas, lideradas pelo próprio Disney, com uma mulher rabugenta, em muitas ocasiões grosseira e mal-agradecida, que, por circunstâncias profissionais, precisam trabalhar juntos em um projeto.

Quem nunca teve que passar por uma situação assim?

 

Não nos apressemos no julgamento

Sim, Travers era uma pessoa mais que difícil de conviver. Entretanto, apesar de sua rudeza e estilo negativo, ela tinha valor a acrescentar ao projeto, no caso, o roteiro de “Mary Poppins”. Mais que isso, havia uma explicação para seus modos, ainda que seja difícil justificar o tratamento dispensado aos demais. Hancock conseguiu isso usando flashbacks da infância difícil da autora, que forjou sua personalidade e a ajudou a compor a personagem.

Mas quantos de nós temos que nos deparar com pessoas difíceis em nosso cotidiano profissional ou pessoal, sem que tenhamos esse recurso? Acabamos vendo apenas o que elas nos mostram e, por isso mesmo, criamos imagens muito negativas, que podem pôr a perder relacionamentos que poderiam ser muito produtivos se todos os lados tivessem uma visão ampla dos fatos.

Foi o que aconteceu com a equipe de Disney, que quase enlouqueceu nas mãos de Travers, antes de perceber que, por baixo de todo aquele chumbo, havia algo incrível a ser trabalhado. Afinal, como alguém que escreve livros infantis sobre uma apaixonante babá mágica poderia ser tão contrária à fantasia e à música?

Travers também teve sua dose de aprendizagem. Com o tempo, percebeu que aquelas pessoas não formavam um bando de indivíduos frívolos, superficiais, ignorantes e mercenários. Pelo contrário, eram um grupo capaz de recontar sua obra de uma maneira que tocaria o coração de crianças e de adultos de qualquer perfil social.

Esse grato aprendizado de ambos os lados só aconteceu porque, naquelas extenuantes reuniões em 1961, exercitaram uma palavra que está muito na moda no mundo corporativo: “resiliência”.

 

Mantenha a mente e o coração abertos

Alguns poderiam argumentar que a equipe de Disney só aguentou os caprichos da autora porque, sem a aprovação dela, o projeto jamais sairia do papel. Isso talvez possa ter sido verdade em um primeiro momento, mas seria uma simplificação grosseira e uma injustiça com aqueles profissionais.

Essas “cascas de ferida” estão andando por aí. Eventualmente, cruzamos com algumas delas e -pior- temos que trabalhar com elas. Pelo nosso instinto de autopreservação, comumente nos retraímos após as primeiras doses de veneno ou de violência explícita. E quem poderia nos julgar, certo?

Pode ser… Mas diante das grandes dificuldades despontam os grandes corações

Sim, Disney e sua equipe precisavam da aprovação de Travers. Também é verdade que eles pareciam ser um grupo de pessoas brilhantes, de bem com a vida, artistas trabalhando em uma empresa que os incentivava e lhes dava todo suporte para realizar o seu trabalho.

Assim até eu, certo? Errado!

Resiliência, empatia, trabalho em equipe são capacidades com as quais todos nós nascemos. Já tratei delas em vários artigos aqui, assim como a maioria de nós miseravelmente vai perdendo essas capacidades importantíssimas à medida que crescemos e que ficamos mais experientes.

Quando fazemos isso, perdemos a chance de extrair coisas incríveis que temos dentro de nós. Reduzimos a chance de criar, e esquecemos até mesmo de como sonhar. Pior que isso: em casos extremos, minamos isso nas pessoas que estão a nossa volta. Ou seja, viramos as “cascas de ferida”.

Não podemos nos permitir um destino tão cruel!

 

Uma colher de açúcar ajuda o remédio a descer

Em uma das mais emblemáticas canções de “Mary Poppins”, a protagonista ensina que mesmo tarefas desagradáveis podem ser executadas se as realizarmos com bons olhos. Novamente a resiliência aparece, mesmo que na forma de uma colher de açúcar.

Sim, cada um de nós precisa descobrir qual é o nosso “açúcar”, para usá-lo quando necessário.

Se o conceito já não estivesse nos livros da Travers, eu diria que os roteiristas de Disney teriam incluído no filme a partir de sua própria experiência. E teria sido perfeito assim mesmo!

Temos que aprender e exercitar isso no nosso cotidiano, com as pessoas que nos rodeiam em nossas vidas pessoais e profissionais. Aliás, 2018 está apenas começando! Quem sabe ainda dá tempo de incluir isso na nossa lista de resoluções de ano novo? Aprendamos com Mary Poppins. Com Walt Disney e sua equipe. E, por que não, até com Pamela Travers? Assim, como diz a música:

“Toda tarefa que você fizer
Torna-se facinha
Uma brincadeira! Uma farra! É óbvio isso!”


PS: naturalmente recomendo que assistam a “Walt nos Bastidores de Mary Poppins”. Mas apenas após terem visto (ou revisto) “Mary Poppins”. E, correndo o risco de “dar o spoiler supremo”, ofereço abaixo a cena final desse clássico de 1964. Não clique no “play” se ainda não viu o filme. Feliz 2018, com resiliência e empatia!


Artigos relacionados:


22 de janeiro: LinkedIn: muito além do óbvio – Workshop + consultoria individual – turma de São Paulo (4,5 horas)

25 de janeiro: LinkedIn: muito além do óbvio – Workshop + consultoria individual – turma de Belo Horizonte (4,5 horas)