Hasan e O Conhecimento do Inferno

Claudia Belfort

06 Novembro 2009 | 08h22

O caso do major do exército dos EUA que abriu fogo na Base de Fort Hood, Texas, matando 11 pessoas e ferindo 31 me fez lembrar o livro O Conhecimento do Inferno, de Antonio Lobo Antunes (Ed. Alfaguara, 248 págs). O major Nidal Malik Hasan, 39, que acabou morto pelos militares, era psiquiatra, solteiro, e trabalhava Centro de Estudos de Estresse Pós-Traumático da base, onde atendia soldados que haviam retornado das guerras do Iraque e do Afeganistão.

O Conhecimento do Inferno apresenta algumas semelhanças com o caso de Hasan.O texto é um monólogo interior de um médico português que mistura lembranças de sua prática psiquiátrica com as do serviço que cumpriu na guerra colonial de Angola, no início dos anos 70.

Ao longo da narrativa percebe-se que o médico desenvolve tanta empatia com soldados e pacientes que em determinados trechos, num efeito genial e proposital do escritor lusitano, as fronteiras entre os personagens, entre passado e presente, entre realidade e ilusão se dissipam e todos parecem viver uma loucura única.

Em ambos os personagens estão presentes a guerra, a empatia com personagens (Hasan era mulçumano e americano) e a clínica psiquiátrica, em ambos o final foi triste, apesar de distintos.

O FBI chegou a levantar a hipótese de atentado terrorista como causa do ataque. Mas até a literatura mostrou que podem haver outras.

(Exército americano informou hoje que o major está vivo e hospitalizado, ao contrário do anunciado ontem)