2012, o ano que quase perdeu o humor!

Tutty Vasques

25 Dezembro 2012 | 06h53

ilustração pojucanA comediante Thelma Reston fechou dia desses a tampa de um ano que só não perdeu inteiramente a graça porque o Verissimo sobreviveu! Nunca antes na história deste país, o humor se destacou tanto no obituário das retrospectivas.

Morreram Chico Anysio, Millôr Fernandes e Ivan Lessa, gênios da raça – ô, raça! –, mas, certamente aqui esquecendo muita gente engraçada que bateu as botas em 2012, o Brasil também perdeu Dicró em abril e a Thelma Reston na semana passada.

Assim como o sambista que encarnou fora dos palcos o estereótipo do genro malandro de suas canções, a atriz foi sempre uma comédia ambulante, um parque de diversões para os colegas que desfrutavam de seu convívio.

É célebre entre as histórias de bastidor da vida de Thelma Reston a noite em que chegou a uma festa saudando a todos com um animado “oi, macacada!” e, mudando rapidamente de expressão ao avistar Antônio Pitanga na turma, tentou se corrigir: “Ô Pitanga, desculpa, eu não te vi aí!” A gargalhada geral acabou com qualquer possibilidade de um final politicamente correto para a cena.

A atriz merecia uma daquelas charges sendo recebida no céu por Chico, Millôr, Dicró e Ivan Lessa. Que turma!