A culpa é da internet!

Tutty Vasques

15 Setembro 2012 | 06h55

reproduçãoAlguém podia ao menos tentar explicar aos mulçumanos que tem maluco em todo lugar, inclusive nos Estados Unidos. Se continuarem invadindo embaixadas americanas toda vez que um infeliz falar ou fizer uma estupidez qualquer na Califórnia, capaz de faltar pedra no mundo islâmico para um ou outro diplomata que se demore a regressar a Washington.

Os ianques, cá pra nós, dessa vez não têm culpa nenhuma pelo princípio de fim do mundo em curso!

O cinema também é inocente! O idiota que fez o tal filme de quinta categoria ridicularizando Maomé estaria hoje decerto falando sozinho entre as autopistas de Los Angeles, sem público para encher meia sessão privê em Hollywood, não fosse a droga do YouTube.

A culpa, pra variar, em última instância é da internet! Não fosse sua inigualável capacidade de dar visibilidade ao que não merece atenção, o antiamericanismo estaria quieto no seu canto sem despertar o medo que todo ocidental tem de tomar uma pedrada por engano.

O lado bom das redes sociais é, paradoxalmente, a possibilidade de troca de ofensas sem riscos à integridade física de ninguém. Mas precisa, antes de tudo, combinar a brincadeira com os irmãos do Islã.