Abaixo o Pé de moleque

Tutty Vasques

06 Julho 2013 | 00h02

ilustração pojucanApesar de um certo burburinho mobilizador na Praça da Matriz, o mais provável é que os protestos hoje em Paraty sejam tão somente tema de debates na Flip.

Melhor assim: uma passeata no Centro Histórico terminaria com um sem número de intelectuais feridos por topadas no caminho das pedras para as tendas.

O calçamento pé de moleque seria, paradoxalmente, o principal motivo de uma hipotética manifestação de literatos na 11ª Flip: só na noite de abertura, sete participantes do evento teriam estropiado o dedão do pé bicando pedras do chão na saída da homenagem a Graciliano Ramos.

Outro motivo histórico de queixa dos habitués da festa internacional é o tempo absurdo de espera por um prato de comida nos restaurantes da cidade. O pedido do almoço sai, por vezes, no jantar.

Juntando a fome com a dificuldade de caminhar, tinha gente ontem convocando uma grande vaia simbólica no jornalista e mediador William Waack contra tudo isso que aí está. A conferir!