Ataque de nervos

Tutty Vasques

07 Outubro 2010 | 06h12

ilustração pojucanQue os deuses não me queimem a língua nas próximas horas, mas não li nada até agora no noticiário que justifique minimamente a escalada do medo de atentados terroristas na Europa. Ninguém denunciou nada, ninguém confessou coisa alguma, nenhuma grande quantidade de explosivo foi apreendida, não capturaram qualquer figurão da Al-Qaeda, nem ameaça de bomba tem sido frequente por lá e, no entanto, as autoridades de segurança do Velho Mundo garantem: as principais capitais do continente correm grande perigo.

         Desde a 2ª Guerra não se via histeria igual! Ministros do Interior dos 27 países da União Europeia estão reunidos hoje em Luxemburgo para tratar do que chamam de “risco real” de um ataque contra alvos civis em Paris e Berlim. EUA, Grã-Bretanha e Japão advertiram seus compatriotas sobre tais “ameaças de curto prazo”. Recomenda-se, em especial, distância dada Torre Eiffel!

O alarmismo das autoridades contrasta com a tranquilidade dos europeus: 65% dos cidadãos franceses não acreditam que a catástrode anunciada esteja para acontecer. Cá pra nós, diante de tantas novas modalidades de fim do mundo em vigor, o terrorismo está virando ameaça de quinta categoria.