Clichês de carnaval

Tutty Vasques

05 Março 2011 | 06h26

vbdrEmbora para muitos telespectadores o carnaval só comece mesmo pra valer no sábado seguinte à Quarta-Feira de Cinzas, quando o Datena transmite pela Band o Desfile das Campeãs na Marquês de Sapucaí, a brincadeira de pagar mico na narração ao vivo da festa já está no ar. Foi oficialmente inaugurada ontem à noite por Cleber Machado, anunciando a entrada da Unidos do Peruche na passarela do Anhembi. Estava, enfim, aberta a temporada de frases feitas sobre o samba no pé em comunidades de tradições carnavalescas e adjacências.

À bênção “tia” Lecy Brandão, que consagrou um gênero de comentário no qual é até hoje imbatível. Ou, pelo menos, fica sempre pior na boca dos outros. Espera só para ouvir, na madrugada de segunda, o Luiz Roberto explicando a batida do surdo da Mangueira como faz com a lei do impedimento em dia de jogo de futebol. A verde-rosa sempre entra como um gol na avenida.

Sem querer dar ideia que possa desagradar a uns e outros, me vem agora à cabeça o seguinte: se, na Globo, narração de desfiles de escolas de samba é osso do ofício de locutor esportivo, por que diabos não tem vaga pro Galvão Bueno nesse time? É carnaval, gente!