Confessa, Sarney!

Tutty Vasques

25 Julho 2013 | 00h03

reproduçãoNuma época em que tudo que a gente diz ou escreve passa pelo crivo do Obama, os 101 confessionários instalados no Rio para a Jornada Mundial da Juventude devem ser os únicos lugares onde ainda é seguro contar segredos no Brasil. Nem o Sérgio Cabral se atreveria a tentar quebrar por decreto o supremo sigilo de confessionário.

Os jovens que tacaram pedras contra o governador podem ir amanhã sem susto se confessar na Quinta da Boa Vista, onde o papa Francisco e 100 padres serão só ouvidos na ‘Festa do Perdão’.

Podem também partir de Brasília jatinhos da FAB repletos de políticos que, se revelassem publicamente seus pecados, aterrizariam direto no inferno da opinião pública rebelada nas ruas.

Deus talvez não seja tão misericordioso com os poderosos quanto a lei dos homens no Brasil, mas a igreja leva sobre os tribunais a vantagem de guardar segredos.

Não dá para entender porque o Sarney está escondido desse jeito desde a chegada do papa ao País, né não?