Governar é dar parabéns!

Tutty Vasques

13 Abril 2012 | 00h02

reproduçãoAntes que algum palhaço resolva se candidatar em 2014 prometendo depois contar ao eleitor o que faz um governador, vai aqui um desestímulo: governar é uma chatice danada, especialmente para quem é honesto no exercício do mandato!

Olha só o exemplo do governador de Goiás, Marconi Perillo, explicando um telefonema seu para Carlinhos Cachoeira: “Eu ligo todos os dias para algumas dezenas de pessoas cumprimentando pelo aniversário!”

Sabe lá o que é isso? Afora a listinha de primos, tios, cunhados e afilhados aniversariantes que a mãe do governador se encarrega de lembrar – “Dá um alô pra dinda, filho!” –, Perillo recebe “cotidianamente” em seu gabinete uma relação de “empresários, políticos, bispos, pastores etc” a quem deve parabenizar nesta data querida.

É natural que, de vez em quando, ligue para alguém que até já morreu ou é vivo demais para merecer felicitações.

Governar, como se vê, não é brinquedo, não!