Madonna & Banda

Tutty Vasques

12 Abril 2013 | 00h03

ilustração pojucanComo se não bastasse a tensão na Península Coreana, as relações diplomáticas entre o Malauí e a Madonna também preocupam. Se Joyce Banda, “presidenta” do país africano, dispusesse do arsenal bélico de Kim Jong-un, seus mísseis estariam agora apontados para o endereço do ícone pop em Nova York.

O conflito entre as duas é antigo e ainda mais incompreensível que as ameaças de fim do mundo na Ásia. Tinham tudo para ser grandes amigas: Joyce tem currículo de feminista premiada e nome em listas das 100 mais “poderosas” da ‘Forbes’; Madonna, além das duas crianças que adotou no Malauí, financia de bom grado a construção de 10 escolas por lá.

Uma quer dar o que a outra precisa e, no entanto, as duas vivem às turras. Passaram os últimos dias trocando alfinetadas intercontinentais sobre mal-entendidos durante a visita de Madonna à África Oriental na semana passada.

A cantora estaria supostamente chateada, segundo a anfitriã, pela falta de tratamento V.I.P. a ela dispensado. Joyce Banda, presume a loura, implica com ela porque não engole a demissão de sua irmã, ex-dirigente da instituição humanitária de Madonna.

Daí a começar uma guerra…