A omelete da Dilma

Tutty Vasques

02 Março 2011 | 09h16

Absolvido pelos males do coração, o ovo tem vivido momentos de glória em sua volta ao cardápio do brasileiro. Deixou, inclusive, de ser coisa de pobre para se misturar em restaurantes chiques a pratos de caviar, surubins, aspargos, chips de parma, tartufo nero e o escambau. Tem galinha caipira por aí que, hoje em dia, só trabalha para o Gero, e olhe lá.

Nas granjas, a demanda deve triplicar depois dessa omelete que Dilma Rousseff fez no programa da Ana Maria Braga. A julgar pela falta de habilidade da presidente com o fogão contrastando com a satisfação da apresentadora na degustação da gororoba, francamente, até o José Serra é capaz de se sair bem na cozinha, mesmo naqueles dias em que acorda de ovo virado.

Dilma fez quase tudo errado: jogou a cebola e o cheiro verde no azeite quente em vez de misturá-los aos ovos batidos, trocou por engano o sal pelo bicarbonato de sódio, virou a omelete antes do tempo deixando que ele se quebrasse e, no entanto, foi elogiadíssima pelo resultado alcançado. Do jeito que as coisas andam dando certo para a presidente, capaz até de sair algum editorial sobre a qualidade do ovo brasileiro na próxima edição do jornal inglês ‘The Guardian’.