Rousseff & Murdoch

Tutty Vasques

20 Julho 2011 | 06h23

reproduçãoAinda que mal comparando, as faxinas de pessoal que a presidente Dilma Rousseff e o magnata Rupert Murdoch vêm promovendo em seus respectivos impérios disputam centímetro a centímetro nas primeiras páginas dos jornais brasileiros o título de notícia enguiçada do mês. Praticamente todo dia eles demitem alguém na corrida contra a praga de escândalos que infesta suas equipes de trabalho.

E, quanto mais cortam a própria carne, mais a crise volta como recidiva maligna em doente terminal. O ‘News of the World’ – tabloide que o magnata tirou de circulação numa tentativa de extirpar o mal pela raiz – é uma espécie de Dnit do conglomerado midiático de Murdoch.

Isso talvez explique porque Dilma ainda não fechou o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes: a corrupção, assim como as escutas telefônicas ilegais, não são estanques neste ou naquele órgão de governo ou da imprensa especializada na vida alheia.

A presidente e o magnata, cada um com seu cada qual, têm ainda muito trabalho profilático pela frente. Tomara que não estejam agindo só para salvar a própria pele no noticiário.