Senhor, piedade!

Tutty Vasques

04 Abril 2012 | 06h00

reproduçãoO DEM está partido! A metade que defendia a crucificação imediata de Demóstenes Torres comemora o pedido de desfiliação do senador. A outra metade continua achando que seria mais sensato só bater esse martelo depois da Semana Santa para evitar que o político goiano passe o feriadão dizendo por aí que foi “pego para Cristo”!

“Vai que ele ressuscita no domingo”, ponderou o senador José Agripino na última reunião sobre os rumos do calvário do correligionário.
Depois daquilo tudo que o Brasil descobriu sobre o relacionamento íntimo de seu principal apóstolo da ética com o jogo do bicho, francamente, nada parece assim tão absurdo que não possa acontecer em Brasília.

Exageros à parte, a ideia de deixar o Demóstenes arrastando sua cruz por mais algum tempo nas manchetes de jornal talvez resultasse em castigo proporcional à quebra de decoro em questão.

Fora isso, a exemplo do que aconteceu com o ex-governador José Roberto Arruda, o ex-líder do DEM no Senado deve ser condenado à pena do esquecimento de todo Judas da política.

A boa notícia é que, se a fila dos denunciados andar, Ideli Salvatti pode dar um bom passinho à frente no abismo do noticiário.