Acessibilidade na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Acessibilidade na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Três sessões do filme 'A Despedida' terão audiodescrição e legendas, produzidas pela Iguale especialmente para o MovieReading.

Luiz Alexandre Souza Ventura

17 Outubro 2014 | 12h31

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Foto: Divulgação

Aos poucos, com o auxílio muito bem-vindo da tecnologia, os recursos de acessibilidade ganham espaço. E o setor cultural tem demonstrado, cada vez mais, ser um exemplo muito positivo dessa integração. Algo que aproxima ainda mais público (com e sem deficiência) e espetáculo.

Uma oportunidade de conhecer mais sobre esse universo é a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Três sessões do filme ‘A Despedida’ terão audiodescrição e legendas, produzidas pela Iguale especialmente para o MovieReading. Anote a agenda:

Espaço Itaú De Cinemas
Sábado, 18/10/2014
21:00 – sessão: 194
Sala: Frei Caneca 1

Cinecaixa Belas Artes
Terça-feira, 21/10/2014
21:45 – sessão: 532
Sala: Spcine

Espaço Itaú De Cinemas
Terça-feira, 28/10/2014
17:15 – sessão: 1075
Sala: Frei Caneca 3

Imagem: Divulgação/Thiago Barros/Iguale

O MovieReading, aplicativo já comentado neste blog, oferece audiodescrição e legendas em português (PTBR) para exibições em cinemas, DVD, TV (aberta e fechada) ou sites de vídeo on demand (Netflix, Crackle, Youtube, etc).

Você precisa instalar o aplicativo, que tem versões para Android e iOS, configurar o país de uso, e acessar o botão ‘Market’, que faz a busca, em um banco de dados. No caso da audiodescrição, o usuário precisa ter um fone de ouvido. As legendas aparecem diretamente na tela do smartphone ou tablet.

‘A Despedida’ – O longa ganhou quatro Kikitos no Festival de Gramado. Marcelo Galvão recebeu o prêmio de melhor diretor. Nelson Xavier e Juliana Paes, que vivem os protagonistas, foram escolhidos para melhores ator e atriz. E o prêmio de melhor fotografia foi para Eduardo Makino.

“É a história de um amor verdadeiro, sem limites e sem preconceito. Um filme único que, através da montagem e das interpretações dos protagonistas, nos coloca sob uma nova perspectiva, fazendo com que deixemos de ser meros espectadores para nos tornarmos também personagem”, afirma Marcelo Galvão.

Produzido pela Gatacine, o filme mostra deficiências, que todos temos ou teremos, naturais ou provocadas pelas circunstâncias, e acerta direto no fato de que essas características não nos reduzem ou nos transformam em seres diferentes de humanos.

Nelson Xavier vive ‘Almirante’ , um homem que sempre foi ativo e bon vivant. Aos 92 anos, ele enfrenta as dificuldades decorrentes da idade avançada e tem consciência de sua fragilidade. Atividades como sair da cama, calçar um sapato e atravessar a rua se tornem um desafio. Um dia, acorda se sentindo disposto e decide ir para a rua resolver pendências e realizar o desejo de rever o maior amor de sua vida, a amante, personagem de Juliana Paes, uma mulher 55 anos mais nova e apaixonada por ele.

“O filme busca provocar questionamentos e sensibilizar as pessoas, fazendo-as pensar profundamente sobre nossa própria existência e o efeito do tempo. A ideia é criar empatia e fazer com que cada espectador se coloque no lugar do protagonista, vivenciando uma experiência psicológica transformadora”, destacam os produtores.