‘Diversidade na Rua’ promove debate sobre autismo

‘Diversidade na Rua’ promove debate sobre autismo

Bate-papo online nesta segunda-feira, 24, terá participação do presidente da Associação Luz Azul (Associação Pró-Autismo de Santa Cruz do Sul/RS), Hugo Enio Braz, e da psicóloga Angela Fernandes Rodriguez Godoy, do Núcleo Psicologia e Deficiência do Conselho Regional de Psicologia do Estado de São Paulo.

Luiz Alexandre Souza Ventura

20 Abril 2017 | 14h34

Para participar, basta acessar o site diversidadenarua.cc/debate e, se você ainda não tiver, fazer um breve cadastro. Imagem: Divulgação

Para participar, basta acessar o site diversidadenarua.cc/debate e, se você ainda não tiver, fazer um breve cadastro. Imagem: Divulgação

Autismo é o tema do debate online promovido pelo projeto Diversidade na Rua, da Mercur, nesta segunda-feira, 24, a partir das 19h. Em pauta, os desafios e possibilidades de pessoas que estão no espectro, de que forma isso afeta a vida em família e na sociedade, como saber reconhecer diagnósticos corretos e tratamento eficazes, a luta contra o desconhecimento, o preconceito e a exclusão, e também os estigmas que cercam esse universo.

O bate-papo terá mediação do presidente da Associação Luz Azul (Associação Pró-Autismo de Santa Cruz do Sul/RS), Hugo Enio Braz, e da psicóloga Angela Fernandes Rodriguez Godoy, do Núcleo Psicologia e Deficiência do Conselho Regional de Psicologia do Estado de São Paulo.

Para participar, basta acessar o site diversidadenarua.cc/debate e, se você ainda não tiver, fazer um breve cadastro.


SERVIÇO
Debate aberto Diversidade na Rua
Tema: Autismo: os desafios e as possibilidades
Data: 24 de abril de 2017
Horário: 19h
Para participar acesse: www.diversidadenarua.cc/debate

Fita Quebra-Cabeças - Com peças coloridas, representa o mistério e a complexidade do autismo. E um símbolo mundial. Imagem: Reprodução

Com peças coloridas, a fita quebra-cabeça é um símbolo internacional que representa o mistério e a complexidade do autismo. Imagem: Reprodução

Criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 2007, o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, celebrado em 2 de abril, lança uma luz sobre a condição que afeta pessoas de diferentes faixas etárias em todo o planeta.

O tema ainda é cercado de muitas incertezas, estigmas, mitos e disgnósticos equivocados, mas cada vez mais a sociedade tenta reunir informações para garantir a quem tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e a seus familiares melhor qualidade de vida.

diaautismo__cristoredentor_rj_01abr2017_blogvencerlimites

Realista – Em ‘Meu Menino Vadio’, o jornalista Luiz Fernando Vianna expõe suas inseguranças, intimidades e, principalmente, a relação com o filho Henrique, que “está no espetro do autismo”, como afirma o escritor.

Trata-se de um conteúdo que precisa ser lido, e relido, por quem convive com o autismo e também por quem jamais chegou perto do assunto. É uma verdadeira porrada, um soco reto, uma bofetada de mão cheia, que amplia e aprofunda, de forma nada sutil, nossa percepção e o conhecimento que julgamos ter a respeito do tema.

O #blogVencerLimites conversou com Vianna (clique aqui) para saber mais sobre o processo de criação do livro, a atuação de grande imprensa na apresentação de quem tem autismo e das pessoas com deficiência em geral, e também sobre as diferentes manifestações de pais que têm filhos no espectro.

“Disseram que meu filho era mimado”, conta a escritora Anita Brito, que enfrentou preconceitos e diagnósticos equivocados para conseguir cuidar do filho Nicolas, que tem autismo. Imagem: Arquivo Pessoal

“Disseram que meu filho era mimado”, conta a escritora Anita Brito, que enfrentou preconceitos e diagnósticos equivocados para conseguir cuidar do filho Nicolas, que tem autismo. Imagem: Arquivo Pessoal

A escritora Anita Brito percebeu logo após o nascimento de seu filho Nicolas que o menino apresentava um comportamento diferente do habitual para um bebê. “Nos primeiros meses achava ele muito calmo, mas não cheguei a suspeitar de autismo. Porém, pensei que algo pudesse estar errado”, explica.

Foi nessa época que teve início a batalha de Anita por um diagnóstico preciso e, consequentemente, por tratamentos e procedimentos de ajudassem no desenvolvimento de Nicolas. “A pediatra me disse que ele era lindo que eu era mãe de primeira viagem. Aos 4 meses e meio, começamos a dar comida e água, além do leite materno, e aí comecei a suspeitar ainda mais, pois ele gritava muito. Quando ele estava com 1 ano, eu já suspeitava de autismo. Ele não demonstrava interesse em sair de casa. Gostava da máquina de lavar e do ventilador. E gritava se fôssemos a algum lugar cheio”, diz a escritora.

Quando Nicolas tinha dois anos, Anita afirma que já tinha certeza do autismo. “Os médicos continuavam a dizer que ele era normal, que eu estava com depressão pós-parto etc. Aos 3 anos ele teve diagnóstico de ‘criança psicótica’, mas nada levava a crer que ele fosse psicótico. Aos 3 anos e meio foi diagnosticado como ‘tendo um retardo muito grave’. Aos 4 anos, como mimado demais pelos pais e nós não o deixávamos crescer. Somente aos 5 anos veio o diagnóstico de autismo dado por psiquiatras”, conta.

diaautismo_congressonacionalbrasil_01abr2017_blogvencerlimites

Educação – “Um dos primeiros desafios da criança com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é a escola. Por causa de suas dificuldades na fala, ao transmitir emoções, de entendimento da linguagem subliminar, de expressões faciais e até de mudanças de tom da voz, ela muitas vezes não consegue compreender explicações da professora e as histórias de livros”, afirma a psicopedagoga Dayse Serra, doutora em psicologia clínica e colaboradora da Neuro Saber.

Para a especialista, falta de habilidade de professores e pedagogos que não sabem como se processa o pensamento de um autista dificulta muito a alfabetização, tornando impossível que a criança desenvolva a capacidade de ler e entender o mundo em sua volta.

“Muitas escolas têm outra linha de trabalho e o educador padroniza o ensino sem pensar nesse estudantes, o que aumenta as chances de não dar certo. Para alfabetizar e educar alguém com autismo, é necessário entender seu funcionamento, suas alterações no que diz respeito à percepção do mundo, as sensações, os medos e seu desempenho linguístico”, ressalta Dayse Serra.

A Praça do Japão e a estufa do Jardim Botânico estarão iluminadas de azul nesta quinta-feira (02), das 18h30 às 23h30, para lembrar o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. Foto: Brunno Covello/SMCS

Autismo – O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) começa na infância e tem causas multifatoriais, que envolvem mecanismos genéticos e ambientais, afetando os aspectos funcionais do indivíduo, mais evidentemente a tríade: interação social, comunicação e comportamento.

O ‘Manual Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais – quinta edição (DSM-5)’ utiliza o termo TEA para se referir a um continuum de quadros psicopatológicos com variação de sintomas: alguns indivíduos apresentam sintomas leves, ao passo que outros apresentam sintomas mais graves. O transtorno usualmente surge antes dos três anos de idade.

Os critérios diagnósticos são eminentemente clínicos, realizados, em sua maioria, por uma equipe interdisciplinar.

diaautismo__salvadorbahia_01abr2017_blogvencerlimites

Acompanhe Vencer Limites nas redes sociais

Mais conteúdo sobre:

AutismoDiversidade na rua
0 Comentários