Dois projetos para pessoas com deficiência estão na final da Imagine Cup Brasil

Dois projetos para pessoas com deficiência estão na final da Imagine Cup Brasil

'Copa do Mundo de Tecnologia' é organizada pela Microsoft para estimular o espírito empreendedor de estudantes em todo o mundo. 'VibEye', de alunos da Universidade Federal do Ceará, e 'Playing for Health', de estudantes da USP, estão na disputa por uma vaga na competição global. Equipe vencedora ganha US$ 100 mil para concretizar o projeto e mentoria exclusiva do CEO da Microsoft. Use as hashtags #ImagineCupBR, #VibEye e #Bridge para apoiar os times nas redes sociais. Vencedor da etapa nacional será definido nesta quinta-feira, 18 de maio, em Fortaleza (CE).

Luiz Alexandre Souza Ventura

17 Maio 2017 | 11h11

Equipe vencedora do evento global ganha US$ 100 mil para concretizar o projeto e mentoria exclusiva do CEO da Microsoft. Imagem: Reprodução

Equipe vencedora do evento global ganha US$ 100 mil para concretizar o projeto e mentoria exclusiva do CEO da Microsoft. Imagem: Reprodução

Dois projetos de voltados a pessoas com deficiência estão na final brasileira da Imagine Cup, a ‘Copa do Mundo de Tecnologia’. A competição organizada pela Microsoft tem a meta de conectar estudantes em todo o mundo e fornecer ferramentas, recursos e experiências que transformem ideias inovadoras em realidade. O vencedor da etapa nacional será definido nesta quinta-feira, 18 de maio, em Fortaleza (CE). A equipe vencedora do evento global ganha US$ 100 mil para concretizar o projeto e mentoria exclusiva do CEO da Microsoft, Satya Nadella.

Mais de 200 mil brasileiros já participaram do campeonato e nove equipes nacionais foram campeãs. Em 2011, a ProDeaf, criadora de aplicativos que traduzem textos em português para a Língua Brasileira de Sinais (Libras), venceu a etapa nacional. E o Can Game – que usa o Kinect para ajudar crianças autistas a desenvolver habilidades sociais, motoras e matemáticas – ganhou uma das etapas do Project Blueprint Challenge, que fez parte da Imagine Cup 2014.

Alunos da Universidade Federal do Ceará estão na disputa com o ‘VibEye’, dispositivo para pessoas com deficiência visual acoplado em um óculos, ou na própria roupa do usuário, com uma pulseira que avisa quando a pessoa deve parar para não esbarrar em algum obstáculo. O equipamento detecta objetos e pode ser conectado a um smartphone por bluetooth.

O ‘VibEye’ tem serviço de geolocalização que permite montar rotas e botão de pânico que aciona familiares do usuários em caso de emergência. Funciona por comandos de voz, com dados armazenados no Azure. Para apoiar o projeto, use as hashtags #ImagineCupBR e #VibEye nas redes sociais

Estudantes da Universidade de São Paulo (USP) estão na briga com o ‘Playing for Health’, elaborado para ajudar no tratamento de fisioterapia de crianças e jovens com limitações motoras e mobilidade reduzida.

O projeto do Team Bridge tem jogos que pretendem melhorar movimentos, cognição e o vocabulários dos pacientes a partir da diversão, para tornar a fisioterapia mais dinâmica. O grupo já desenvolveu dez jogos diferentes usado por instituições como a AACD, AbrELA e a Associação Brasileira de Distrofia Muscular (Adbim). Para apoiar o projeto, use as hashtags #ImagineCupBR e #Bridge nas redes sociais.