GOL e Infraero obrigam mulher a se arrastar por escada para entrar em avião

GOL e Infraero obrigam mulher a se arrastar por escada para entrar em avião

Não há argumento, explicação, motivo ou palavra para justificar tamanho desrespeito com um ser humano. Impossível aceitar que uma empresa provoque tal situação. Isso é mais do que estúpido. É maldade.

Luiz Alexandre Souza Ventura

02 Dezembro 2014 | 18h21

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Katya Hemelrijk da Silva tem osteogenese imperfeita, chamada de síndrome do ossos de cristal. Foto: Reprodução

Katya Hemelrijk da Silva tem osteogenese imperfeita, chamada de síndrome dos ossos de cristal. Foto: Reprodução

São, no mínimo, ridículas as explicações da GOL e da Infraero sobre a situação constrangedora a qual Katya Hemelrijk da Silva, de 38 anos, foi submetida nesta segunda-feira, 1, em Foz do Iguaçu (PR). Katya é executiva do setor de cosméticos e mãe de dois filhos. Estava acompanhada pelo marido. O casal embarcava para São Paulo, onde mora. A lambança começa com a falta de equipamento correto, no aeroporto, para embarcar uma pessoa que usa cadeira de rodas. Quando não está disponível o ambulift (elevador), o cidadão deve ser transportado pelo finger, aquela rampa acoplada à porta da aeronave. Não havia nenhum dos dois.

A solução encontrada pela empresa foi carregar a passageira nos braços. Ela, sabiamente, recusou. Katya tem osteogenese imperfeita, a chamada ‘síndrome dos ossos de cristal’. Obviamente, há um grande perigo em qualquer abraço mais apertado ou movimento mais brusco. Oferecer o ‘colo’ de um funcionário é uma insanidade, uma demostração de absoluto desconhecimento sobre a condição da passageira e sobre a forma correta de atendê-la.

Esse conjunto de equívocos já é suficiente para criar um desastre, mas os funcionários da empresa aérea permitiram o inacreditável, inimaginável, estarrecedor. Katya foi obrigada a se arrastar pela escada para conseguir entrar no avião. Não há argumento, explicação, motivo ou palavra para justificar tamanho desrespeito com um ser humano. Impossível aceitar que uma empresa e um órgão federal provoquem tal situação. Isso é mais do que estúpido. É maldade.

A GOL afirmou que ofereceu “alternativas” à passageira, lamentou o ocorrido (deveria comemorar?) e disse que vai evitar novas situações semelhantes. A Infraero, como sempre, jogou toda a responsabilidade nas costas da companhia aérea.

Mais conteúdo sobre:

Respeito