Sua cidade tem problemas de acessibilidade?

Sua cidade tem problemas de acessibilidade?

Luiz Alexandre Souza Ventura

10 Março 2013 | 00h01

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Durante uma semana, entre os dias 2 e 9 de março, ‘Vencer Limites’ recebeu flagrantes da falta de respeito às pessoas com deficiência e dos problemas de acessibilidade em suas cidades.

As imagens, feitas por leitores de todo o País, mostram construções e adaptações, que deveriam servir para tornar imóveis e cidades acessíveis, mas são exemplos da falta de conhecimento sobre o assunto ou, inclusive, do descaso para com cidadãos que, por diferentes fatores, têm sua mobilidade prejudicada.

Quem tem dúvidas sobre as regras corretas, pode consultar a Norma 9050/2004 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). O documento, que tem 97 páginas e pode ser

, estabelece “critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade”.


O texto – se quiser, faça o download aqui –  define acessibilidade como a “possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos”.

Completo e detalhado, apresenta todas as informações necessárias, “com parâmetros que consideram mobilidade e percepção do ambiente, com ou sem a ajuda de aparelhos específicos, como próteses, aparelhos de apoio, cadeiras de rodas, bengalas de rastreamento, sistemas assistivos de audição ou qualquer outro que venha a complementar necessidades individuais”.

Diz ainda que “todos os espaços, edificações, mobiliário e equipamentos urbanos que vierem a ser projetados, construídos, montados ou implantados, bem como as reformas e ampliações de edificações e equipamentos urbanos, devem atender ao disposto nesta Norma para serem considerados acessíveis”.