Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

32 presos fogem de Pedrinhas; 2 são mortos em troca de tiros com agentes

Detentos escaparam por buraco após explosão de muro; Comando Vermelho pode estar envolvido no caso

Diego Emir, especial para o Estado, e Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2017 | 07h58
Atualizado 22 Maio 2017 | 11h33

SÃO LUÍS - Trinta detentos fugiram do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, e dois morreram em troca de tiros com agentes penitenciários na noite deste domingo, 21. Até o início da manhã desta segunda-feira, 22, seis presos haviam sido recapturados.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), a fuga aconteceu depois da explosão de parte do muro da Unidade Prisional de Ressocialização de São Luís 6 (UPSL 6) por pessoas do lado de fora do presídio, ainda não identificadas. A Sociedade Maranhense de Direitos Humanos afirmou que a facção criminosa Comando Vermelho (CV) foi responsável pelo ataque.

De acordo com a Seap, detentos de duas celas do Pavilhão Gama serraram as grades e fugiram pelo buraco no muro causado pela explosão. A administração da penitenciária já reconstruiu o muro. 

Os agentes penitenciários do Grupo Especial de Operações Penitenciárias (Geop) que estavam de plantão agiram para tentar evitar a fuga e trocaram tiros com presos. Dois internos morreram, um no local e outro no hospital. A secretaria não informou se, além das duas mortes, houve feridos.

Policiais civis e militares foram acionados para auxiliar nas buscas pelos detentos que escaparam. O caso é investigado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), por meio do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO) da Superintendência de Estado de Investigações Criminais (Seic), que terá 30 dias para a conclusão do inquérito.

O governo do Maranhão informou que foi iniciada a investigação para apurar o fato de os detentos estarem fora das celas no horário.

Em nota, a gestão prisional afirmou que, "por estar separada do Complexo Penitenciário de São Luís, a UPSL 6 é a única unidade prisional masculina que ainda não dispõe de portaria unificada e inspeção por BodyScan, a exemplo das demais que compõem o complexo carcerário".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.