Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

50 milhões de brasileiros têm algum amigo ou parente que foi assassinado

Pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que 1 em cada 3 pessoas acima de 16 anos já teve proximidade com casos de violência no País

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2017 | 05h00

SÃO PAULO - O pai do estudante Diego Cassas Ribeiro, morto aos 18 anos com quatro tiros em São Paulo, ainda não consegue entrar no quarto do filho. O crime aconteceu em 2013, no estacionamento de um restaurante do McDonald’s no bairro de Pinheiros. A família de Ribeiro compõe a estatística mostrada por uma pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública feita pelo Datafolha em todo o País. Um em cada três brasileiros acima de 16 anos tem ao menos um amigo ou parente que foi vítima de homicídio, o que equivale a cerca de 50 milhões de pessoas (35%).

O Fórum é uma organização sem fins lucrativos que reúne acadêmicos e profissionais da área de segurança e tem missão de promover debates e análises sobre o tema. 

O número da amostra é maior entre a população negra (38%) do que entre os brancos (27%), e entre os mais pobres (36%) do que entre os mais ricos (32%). Em 12% dos casos, o responsável pela morte foi um policial.

Nas últimas duas décadas, o Brasil somou cerca de 1 milhão de assassinados. Um dos objetivos da pesquisa era mensurar como a violência altera a rotina dos “sobreviventes”, pessoas do círculo da vítima que ainda convive com a insegurança. O levantamento integra uma iniciativa internacional denominada Instinto de Vida, que cobra a redução dos homicídios em países da América Latina. 

Impacto. “O homicídio é uma realidade que está muito perto de nós e atinge a todos numa velocidade muita grande. Os números representam uma tragédia para o País”, disse ao Estado o diretor-presidente do Fórum, Renato Sérgio de Lima. “Também é triste notar como os crimes impactam o cotidiano dos que continuaram vivendo.”

Para Marcelo Cassas, irmão do estudante morto há quatro anos, o principal impacto foi psicológico. “Até hoje, meu pai não consegue entrar no quarto do meu irmão, nem ver fotos dele. Minha mãe sofreu muito com depressão e só agora está se livrando dos remédios”, conta. “A dor é para o resto da vida.”

Condenado pelo homicídio, Caio Rodrigues está foragido e nunca foi preso. A família da vítima oferece R$ 10 mil por informações que levem à captura do procurado. “Ele vai ser pego no tempo de Deus”, diz Cassas.

Com 58.467 homicídios registrados em 2015, dado mais recente, a pesquisa aponta ainda que 71% da população considera esse patamar “muito alto”. Para 23%, o índice é “alto” e para 4%, “médio”. O Datafolha ouviu 2.065 pessoas acima de 16 anos em 150 cidades, entre 3 e 8 de abril. A margem de erro é de dois pontos.

“Podemos ser julgados no futuro como monstros morais por conviver com esse sentimento de indiferença diante de 60 mil homicídios anuais”, diz Pedro Abramovay, ex-secretário nacional de Justiça e presidente para a América Latina da Open Society (organização fundada pelo bilionário George Soros para promover democracia). “Não se indignar é ser cúmplice”, diz, ao dizer que é preciso “reagir com o cérebro” e estudar os fatores que levam à violência. “A maioria das vítimas é pobre e negra e um pedaço da sociedade consegue conviver com esse cenário. É preciso buscar energia para reverter isso”, afirma Abramovay. / COLABOROU FELIPE RESK

Mais conteúdo sobre:
Violência Segurança Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.