Aceita denúncia contra PMs suspeitos de matar dois em MG

Crime teria ocorrido em Aglomerado da Serra. em fevereiro deste ano; segundo o Ministério Público, os militares simularam que teriam sido atacados, e um deles ferido, por grupo armado, acarretando na morte das vítimas

Marília Lopes, Central de Notícias

30 Março 2011 | 09h47

SÃO PAULO - A Justiça de Minas Gerais recebeu ontem, 29, a denúncia do Ministério Público contra dois policiais militares acusados de cometer duplo homicídio no conjunto de favelas Aglomerado da Serra, em Belo Horizonte, em fevereiro deste ano. Os PMs vão responder criminalmente pela prática de dois homicídios duplamente qualificados.

 

Além de aceitar a denúncia, o juiz Guilherme Queiroz Lacerda, do 1º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, também acatou o pedido do MP de conversão da prisão temporária dos policiais, que vencia ontem, para prisão preventiva. O juiz considerou que além dos indícios de envolvimento dos PMs nos crimes, a liberdade deles poderia gerar temor para as testemunhas que serão ouvidas durante a instrução do processo. Cabe recurso da decisão de prisão temporária.

 

Segundo a denúncia do MP, os policiais militares Jason Ferreira Paschoalino e Jonas David Rosa, durante uma incursão no Aglomerado da Serra, abordaram e mataram Renilson Veriano da Silva e Jefferson Coelho da Silva, usando fuzis da própria Polícia Militar. De acordo com os promotores de Justiça que assinam a denúncia, para acobertarem os crimes, após os homicídios, os militares simularam uma situação na qual estariam sendo atacados por um grupo armado. Além disso, apresentaram uma versão de que Rosa foi atingido na troca de tiros com o grupo.

 

Porém, de acordo com o MP, as investigações da Polícia Civil e da Corregedoria da Polícia Militar desmentiram a versão dos militares, mostrando que tudo não passou de uma versão falsa criada por eles.

 

Histórico

 

Após a morte das duas vítimas no dia 19 de fevereiro, os moradores do Aglomerado da Serra fizeram um protesto, queimando veículos e atirando pedras contra a polícia, que tentava ocupar pontos estratégicos da favela.

 

No dia 22 de fevereiro, quatro policiais envolvidos nas mortes foram presos preventivamente. No dia 25, um deles foi achado morto em sua cela no 1º Batalhão da PM, na capital mineira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.