1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Acusação contra suspeito de matar cinegrafista surpreende colegas de trabalho

Thaise Constâncio - O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2014 | 11h 15

Caio Silva de Souza, de 23 anos, foi descrito por pessoas que trabalham perto do Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, zona oeste, como uma pessoa calma e de boa índole

RIO - Uma pessoa calma, simpática, trabalhadora e de boa índole. Assim Caio Silva de Souza, de 23 anos, foi descrito por pessoas que trabalham perto do Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, zona oeste do Rio. Funcionário da empresa terceirizada Hope, o auxiliar de serviços de limpeza e conservação de áreas públicas trabalhava como porteiro no hospital desde 24 de julho de 2013.

Os funcionários do hospital e da Hope confirmaram que Souza trabalhava das 7h às 19h, em dias alternados. Na terça-feira, 11, a divulgação das fotos de Souza foi uma surpresa para todos. O único assunto nos corredores do hospital e nas poucas lojas da rua Augusto de Vasconcelos, na zona oeste, era a prisão do colega de trabalho por disparar o rojão que causou a morte do cinegrafista Santiago Andrade.

Uma funcionária da farmácia em frente ao hospital afirmou que, apesar do pouco contato, Souza sempre foi muito educado com todos. Todos sabiam que ele ia para os protestos, mas não tinham ideia do que ele fazia. Ela chegou a ser chamada para ir na manifestação de quinta-feira, 6, mas rejeitou.

"Apesar de tudo acho que foi uma fatalidade. Ele não tinha a intenção de acertar ninguém, muito menos de matar uma pessoa", disse a mulher. Ela afirmou que ele era muito prestativo e ajudava as pessoas. "Sempre que podia, ele dava pão para os moradores de rua que ficam aqui perto do hospital".

Um flanelinha contou que Souza era uma pessoa discreta, que cumprimentava a todos. "Ele sempre me cumprimentou e nunca fez nada de mal para ninguém aqui".