Acusado por maus-tratos, Le Cirque desaparece com animais

Circo é acusado de maltratar animais usados em apresentações e tem mandado de interdição a pedido do Ibama

Solange Spigliatti, estadao.com.br

18 Agosto 2008 | 08h47

O circo Le Cirque retirou de Brasília os animais que, na noite de sexta-feira, 15, a Justiça autorizou a apreensão, segundo informações do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). No sábado, policiais da Delegacia Especial de Meio Ambiente (Dema) e o Ibama foram ao circo inspecionar o local, mas os animais haviam sido retirados do local.   Veja também: Com tumulto e correria, Ibama remove animais de circo no DF Justiça concede liminar e animais apreendidos voltam ao circo Ibama recorrerá ao TRF da liminar favorável ao Le Cirque   Os policiais e os agentes do Ibama cumpriam mandado judicial de busca e apreensão concedido pela 3.ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Na tarde de sexta-feira, integrantes do circo exibiam os animais em uma manifestação em frente ao Congresso.   Na operação conjunta da Dema e do Ibama, que contou ainda com participação do Zoológico, do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil, Patrícia Cristina Amorim, que se identificou como moradora do circo e estava no trailer do dono do Le Cirque, recebeu cópia do mandado judicial de busca e apreensão.   Além do mandado judicial da 3.ª Vara Criminal, o circo teve outras duas derrotas judiciais no início da noite de sexta. O Tribunal Regional Federal da 1.ª Região deferiu pedidos do Ibama nos dois agravos de instrumento para manter o termo de embargo/interdição do circo por falta de autorização ambiental de funcionamento e suspender a liminar que impedia o instituto de apreender os animais, alvos de maus-tratos no Le Cirque.

Mais conteúdo sobre:
Le Cirque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.