1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Adolescente que incendiou réplica de taça da Copa é apreendido no Rio

Fábio Grellet - O Estado de S. Paulo

21 Maio 2014 | 18h 24

Jovem de 17 anos confessou o crime e alegou que achava a taça 'feia'

RIO - Um adolescente de 17 anos foi apreendido acusado de incendiar uma réplica da taça da Copa do Mundo que ficava exposta na rua Feliciano Sodré, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio, onde a seleção brasileira fará sua preparação para a disputa da Copa. O incêndio ocorreu às 3 horas desta terça-feira, 20. Segundo a Polícia Civil, o adolescente confessou o incêndio e alegou que achava a taça "feia".

O adolescente foi autuado por fato análogo a dano qualificado ao patrimônio público e emprego de substância inflamável, mas foi liberado mediante compromisso, assumido por sua mãe, de que apresente o rapaz ao Ministério Público e à Justiça, quando isso for solicitado.

Os delegados Marcos Antônio da Silva e Evaristo Pontes Magalhães, da 110ª DP (Teresópolis), identificaram o autor do delito após encontrar um frasco vazio de álcool abandonado perto da taça. Ela tinha etiqueta de uma farmácia próxima. Os policiais também verificaram câmeras de segurança das imediações, que registraram a ação do autor do delito.

Na rede social Facebook, a polícia identificou comentários sobre o episódio postados por um rapaz semelhante àquele identificado pelas câmeras de segurança.

Os policiais então foram à farmácia e mostraram fotos do rapaz a dois funcionários que haviam vendido a garrafa de álcool. "Imprimimos as imagens e levamos para o funcionário da farmácia ver. Ele e o motoboy, que estava na hora da venda, reconheceram o menor. Ele (o adolescente) comprou álcool hospitalar 70 graus. Custa mais caro, R$ 6, e poucas pessoas compram. Isso chamou a atenção do vendedor", disse o inspetor Gabriel Hanskolk.

Segundo o policial, o adolescente integra uma turma de pichadores. A polícia então foi até sua casa e o apreendeu. Conduzido à delegacia com sua mãe, o adolescente contou, segundo os policiais, que arquitetou a ação sozinho porque achou a taça "feia".

Confeccionada em fibra de vidro, a taça tinha seis metros de altura por dois e meio de largura e pesava 300 quilos. Segundo a polícia, era avaliada em R$ 8 mil.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo