Aécio defende comando tucano compartilhado

O senador mineiro Aécio Neves juntou-se ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e defendeu ontem a criação de um conselho político no PSDB, formado por líderes do partido. O grupo não teria funções administrativas. Só cuidaria do que ele chamou de "orientação doutrinária da legenda".

Gustavo Uribe / AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

25 Março 2011 | 00h00

Nos bastidores, o conselho é visto como uma maneira de arrefecer a disputa pela presidência do PSDB e impedir que grupos políticos ligados a Aécio ou a José Serra controlem a legenda e tenham influência direta sobre as definições do pleito de 2014.

Entre os que apoiam a iniciativa está o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, disse Aécio, ontem à noite, na cerimônia dos 20 anos da Força Sindical, em São Paulo.

Duas das tarefas imediatas do conselho seriam, segundo o senador, uma atualização das propostas tucanas e a aproximação com setores da sociedade junto aos quais o PSDB perdeu força.

"Tenho defendido há tempos que o partido se renove e atualize suas propostas, que fale para setores da sociedade brasileira com os quais não está mais conectado", acrescentou Aécio, citando como exemplos os jovens, profissionais liberais e a classe média - setores que, diz ele, rejeitam práticas como o aparelhamento do Estado e reagem mal a denúncias de corrupção. "Prova disso é o PT não ter vencido as eleições presidenciais em primeiro turno."

Alckmin já havia mencionado a ideia no início do mês, lembrando que o ex-governador José Serra deveria participar do grupo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.