1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Aeronautas aceitam proposta de reajuste e descartam greve

- Atualizado: 18 Fevereiro 2016 | 16h 35

Aeroviários (agentes em terra), por sua vez, ainda farão assembleias pelo País nesta sexta-feira para decidir sobre a oferta

SÃO PAULO - Aeronautas (pilotos e comissário) aceitaram em assembleia nesta quinta-feira, 18, a proposta de reajuste salarial feita em audiência de mediação no Tribunal Superior do Trabalho (TST) na quarta-feira, 17, e descartaram nova greve. Aeroviários (agentes em terra) ainda farão assembleias pelo País nesta sexta-feira e têm até 22 de fevereiro para informar o TST da sua decisão. As empresas aéreas já haviam aceitado a proposta.

O acordo sugerido pelo ministro Ives Gandra, do TST, prevê reajuste de salários e pisos parcelados (5,5% em fevereiro e 5,5% em maio), aumento retroativo a dezembro de 11% nos benefícios sociais (vale-alimentação, seguro de vida) e pagamento de abono de 10% do salário, em uma parcela.

Paralisação de aeroviários e aeronautas
Rafael Arbex/Estadão
Ato no Aeroporto de Congonhas

Pilotos de avião, comissários e agentes em terra fizeram uma paralisação parcial em 12 aeroportos brasileiros

O ministro ainda propôs a criação de comissões paritárias para debater outros temas, como a folga mensal, e pediu a garantia, pelas empresas aéreas, de que não haja retaliação a curto, médio e longo prazo aos trabalhadores que paralisaram as atividades em 3 de fevereiro.

"Analisando o contexto do País, a discussão que aconteceu entre as partes e considerando que as empresas perderam bastante (no ano passado), a gente entende como positiva a proposta. Mas ficou aquém do esperado. De qualquer forma, temos de analisar o contexto e, dentro dele, o reajuste e as conquistas sociais foram as minimamente aceitáveis", afirmou o presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), Adriano Castanho, após a assembleia.

Em nota, o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea) informou que, "mesmo perante o delicado momento que a aviação brasileira atravessa por conta da crise econômica que afeta todo o País, as empresas aéreas se mantiveram abertas para discutir e reformular propostas."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX