Afastados funcionários de prisão onde está goleiro Bruno em MG

Ambos fazem parte de grupo investigado pela Corregedoria do Estado por desvio de conduta

Solange Spigliatti, estadão.com.br

25 Julho 2011 | 17h44

SÃO PAULO - Dois funcionários da Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem (MG), onde está preso o ex-goleiro Bruno Fernandes, de 26 anos, acusado de mandar matar a ex-amante Eliza Samudio, há um ano, foram afastados do cargo. Segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) de Minas Gerais, a funcionária Márcia Ermelinda Fortes, ex-diretora de atendimento da penitenciária foi exonerada no último dia 21 de abril.

Ela foi exonerada por incompatibilidade com o cargo exercido e por não atender às necessidades da nova direção, além de fazer parte do grupo de funcionários investigados pela Corregedoria do Sistema Prisional do Estado, por desvio de conduta, segundo o Seds.

Márcia pode ter feito parte do esquema que facilitava os contatos telefônicos entre o goleiro Bruno e a noiva dele, a dentista carioca Ingrid Calheiros Oliveira. O órgão não confirmou se as ligações foram o motivo da exoneração.

A Seds confirmou também o afastamento do ex-diretor do presídio Cosme Dorivaldo Santos. Ele foi afastado do cargo e transferido para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional de Belo Horizonte. Ele também está sendo investigado, segundo o Seds. No último dia 7, completou um ano que o atleta está preso, acusado do sequestro e homicídio de Eliza Samudio, desaparecida desde 10 de junho de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.