Aliados, mas cada um com seu próprio palanque

O PT e o PMDB estão montando palanques próprios para disputar o cargo de prefeito no maior número de municípios - a começar por São Paulo, que tem o maior orçamento municipal do País. Os dois dão como certo que, na capital paulista, enfrentarão o ex-governador tucano José Serra. E, apesar de a possibilidade de se enfrentarem no segundo turno não estar descartada, os dois se apressaram em costurar uma parceria para essa fase decisiva - se houver - da briga paulista.

Christiane Samarco, O Estado de S.Paulo

17 Julho 2011 | 00h00

A previsão é que o número de cidades disputadas pelas duas legendas aumente em todos os Estados. Embora o presidente peemedebista, senador Valdir Raupp, faça discurso em favor de manter a aliança com os petistas nos municípios onde ela já existe, será difícil compor as duas legendas até na capital de seu Estado, Porto Velho.

Hoje é o PT que administra a cidade, tendo em sua chapa um vice do PMDB. Mas o presidente do PMDB já dá como certo o lançamento de um correligionário à corrida pela prefeitura. "Vamos tentar o apoio do PT, oferecendo a vice a eles. Mas há um risco de que talvez não ocorra essa aliança", admite Raupp em conversas reservadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.