Ambos vão ao ataque, mas empate persiste

É difícil apontar um vencedor do debate de ontem, a exemplo do que ocorreu nos anteriores. Os temas também soaram conhecidos, mas vieram em falas mais duras do que vinha ocorrendo. Por ter começado após as 23 horas, tanto Dilma Rousseff como José Serra procuraram colocar os tópicos que consideram mais importantes e que podem tirar votos do adversário, como os escândalos Erenice Guerra e Paulo Preto, e reafirmaram suas posições em relação ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e à saúde pública.

Análise: José Paulo Martins Júnior, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2010 | 00h00

Foi Serra quem trouxe o tema das privatizações ao debate e acabou articulando um discurso esquizofrênico, tentando se mostrar mais nacionalista que Dilma. A petista, por sua vez, pareceu mais segura que nos debates anteriores - ainda tropeçou em alguns momentos, mas cometeu gafes menos graves. Para cativar eleitores de Marina Silva, ambos fizeram promessas em defesa do meio ambiente. Ontem, Dilma e Serra elevaram o tom de suas falas, mas mantiveram o placar empatado, o que, nesse momento, tem mais gosto de vitória para a petista que para o tucano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.