Análise indica presença de arsênio e chumbo na água do Rio Doce

Levantamento foi feito entre os dias 7 e 13 de novembro ao longo do rio; ingestão pode causar graves problemas de saúde

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

27 Novembro 2015 | 20h04

BELO HORIZONTE - Relatório divulgado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) acusou a presença em larga escala de metais pesados como arsênio, chumbo e cádmio no Rio Doce depois que o curso d'água foi atingido pelos rejeitos de minério de ferro da barragem da Samarco que se rompeu no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, no dia 5. 

O levantamento foi feito entre os dias 7 e 13 de novembro ao longo do rio, no sentido foz, entre os municípios de Rio Doce, o ponto mais próximo a Bento Rodrigues, e Aimorés, já na divisa com o Espírito Santo. Ao todo foram analisadas 12 amostras de água.

Em relação ao arsênio, a presença do metal teve a alta mais expressiva registrada em Belo Oriente, Região Leste de Minas, município que fica entre Ipatinga e Governador Valadares, no médio Rio Doce. A amostra colhida no local, em 8 de novembro, apontou índice superior a 0,10 miligramas por litro (mg/l). O volume normalmente encontrado no ponto de coleta é próximo de zero. A ingestão em excesso de arsênio pode causar feridas com difícil cicatrização e câncer.

Na mesma região e data foram encontrados níveis elevados de cádmio. A amostra apresentou quase 0,016 mg/l. No local, o valor comum para o metal também é próximo de zero. Antes, no dia 7, no município de Marliéria, que fica a montante, foi registrado volume de cádmio de 0,013 mg/l. O elemento é muito utilizado na produção de baterias e, se ingerido, mesmo em pequenas quantidades, pode provocar danos a órgãos como fígado e rins. 

Quanto ao chumbo a quantidade mais elevada do metal foi encontrada em Ipatinga, 1,65 mg/l, em 8 de novembro. A incidência em condições normais do elemento na região também é próxima de zero. A ingestão do metal pode provocar distúrbios gastrointestinais, no curto prazo, e anemia e problemas neurológicos, no longo prazo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.