1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Análise: Não há lugar na Igreja para religiosos acusados de pedofilia

José Maria Mayrink

SÃO PAULO - O papa Francisco deixou claro, ao receber nesta segunda-feira, 7, um grupo de vítimas de abusos sexuais, que não há lugar na Igreja para bispos, padres e religiosos culpados por crimes de pedofilia. Mais do que pedir perdão pelos pecados cometidos por membros do clero contra menores, ele voltou a garantir que não haverá impunidade. 

“Comprometo-me a não tolerar o dano causado a um menor perpetrado por qualquer pessoa, independentemente de seu estado clerical”, afirmou na homilia da missa celebrada na capela de sua residência, a Casa Santa Marta.

O papa anunciou medidas duras para punição dos criminosos, 41 dias após ter informado aos jornalistas, no voo de volta da visita à Terra Santa, que naquele momento havia três bispos sob investigação e que um deles já havia sido condenado, faltando apenas determinar a pena que lhe seria aplicada. “Não haverá privilégios”, afirmou Francisco. 

A punição do arcebispo polonês Jozef Wesolowski, no mês passado, provaria que o papa está disposto a ir às últimas consequências em suas atitudes. Ex-núncio apostólico na República Dominicana, o arcebispo sofreu a redução ao estado leigo e foi processado canonicamente por abusos contra menores. Logo que sua expulsão do clero for ratificada por sentença definitiva, ele será processado penalmente pelo Vaticano.

A linha dura adotada pela Santa Sé para punição dos culpados de crimes de pedofilia se deve muito à ação adotada pelo cardeal Sean O’Malley, arcebispo de Boston (Estados Unidos) e coordenador da comissão nomeada pelo papa a tutela dos menores.

Interessante observar que, além do jesuíta alemão Hans Zollner, do jurista italiano Claudio Papale e do teólogo argentino Humberto Miguel Yanez, quatro mulheres participam dessa comissão - a francesa Catherine Bonnet, a irlandesa Marie Collins, a inglesa Sheila Hollins e a ex-primeira ministra polonesa Hanna Suchicka.

Antes de Francisco, também Bento XVI, agora papa emérito, encontrou-se com um grupo de vítimas de abuso sexual cometido por padres pedófilos, em 17 de abril de 2008, na Nunciatura de Washington. Foi o primeiro encontro, seguido de outros que ocorreram na Austrália, Malta, Reino Unido e Alemanha.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo