Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Análise: proteção passa por educação e estrutura

Para reduzir os índices de homicídios e salvar vidas, a Unicef recomenda iniciativas multissetoriais a partir de 4 eixos

Florence Bauer*, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2017 | 04h00

Para reduzir os altos índices de homicídios e salvar vidas, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) recomenda iniciativas multissetoriais a partir de quatro grandes eixos. 

+++ Em 7 anos, País terá 43 mil jovens assassinados

O primeiro é o investimento em educação, garantindo que todos estejam na escola. A resposta ao abandono escolar deve fazer parte das estratégias de prevenção de homicídios, estabelecendo mecanismos para inclusão escolar, prevenir o abandono e tornar as escolas mais interessantes e adequadas às necessidades dos adolescentes. 

O segundo é melhorar a infraestrutura pública e os serviços públicos nas comunidades e periferias. Na maioria dos casos, os adolescentes mortos viviam em bairros com infraestrutura e serviços precários. 

O terceiro é cuidar e proteger famílias e amigos de adolescentes mortos e aqueles sob risco de homicídio. É necessário elaborar mapas de risco, protocolos integrados e organizar equipes interdisciplinares para apoiar essas famílias - em especial as mães - e os adolescentes.

O quarto eixo é estabelecer políticas voltadas à formação de policiais, à investigação de todos os homicídios e ao monitoramento da circulação de armas. Grande parte dos homicídios de adolescentes não chega a ser investigado ou à fase de responsabilização. É importante estabelecer procedimentos eficazes e transparentes de investigação que quebrem o ciclo de impunidade e adotar normas claras de abordagem para prevenir situações de violência policial. 

*FLORENCE BAUER É REPRESENTANTE DO UNICEF NO BRASIL 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.