Após 4 anos, começa a instalação de radares eletrônicos em rodovias federais

Estradas foram fiscalizadas por lombadas e radares só até 2007; até 2013, quase 3 mil aparelhos devem estar em funcionamento

Solange Spigliatti, Central de Notícias

10 Março 2011 | 13h13

SÃO PAULO - O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit)informou que já começou a instalação dos 2.696 equipamentos de radares fixos e lombadas eletrônicas nas rodovias federais, após o carnaval considerado o mais violento nas estradas. A licitação terminou em dezembro, mas só neste mês começou a instalação, após quatro anos sem fiscalização eletrônica. Desde 2007 as BRs estão sem equipamentos de controle de velocidade, após cinco anos de monitoramento. Entre 2002 e 2007, houve redução de 69% no número de acidentes.

 

Veja também:

linkNo carnaval, rodovias federais em SP têm 6 mortes - 3 são atropelamentos

linkEstradas têm 48% mais mortes no carnaval, mais violento da história

 

A previsão do Dnit é que ainda em março parte dos equipamentos esteja em funcionamento. As empresas contratadas têm o prazo de 24 meses para instalar os 2.696 radares e lombadas eletrônicas. Segundo o Dnit, os novos equipamentos vão monitorar mais de cinco faixas em rodovias federais pelo prazo de cinco anos. Durante este período, o governo federal investirá R$ 773,3 milhões no programa, com recursos previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

 

Serão 1.130 barreiras eletrônicas ou lombadas eletrônicas nas áreas urbanas das rodovias federais. Outros 466 equipamentos serão instalados para fiscalizar o avanço de sinal vermelho e a parada sobre faixa de pedestres. Nos trechos rurais das rodovias federais serão 1.100 radares fixos.

 

A instalação dos radares e lombadas eletrônicas faz parte do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade (PNCV) já executado pelo Dnit e que visa reduzir os acidente de trânsito em áreas urbanas e rurais. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizou estudos técnicos para decidir a localização de cada tipo de equipamento. Segundo o Dnit, os estudos foram baseados nos dados de acidentes e registros do tráfego local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.