AP Photo
AP Photo

Após reconhecimento de milagre, papa Paulo VI deve ser beatificado em outubro

Informação foi divulgada por agência de notícias italiana; papa teria curado bebê na barriga da mãe nos EUA quando médicos sugeriram aborto

O Estado de S. Paulo e EFE

06 Maio 2014 | 11h53

A Congregação para a Causa dos Santos aprovou a existência de um milagre por intercessão do papa Paulo VI que servirá para sua beatificação, segundo informou a agência de notícias italiana Ansa. A beatificação de Giovanni Battista Montini, o papa que concluiu o Concílio Vaticano 2.º, será em 19 de outubro, quanto terminará o Sínodo dos Bispos sobre a família previsto para esse mês. O papa Francisco deve aprovar o decreto sobre o milagre para que seja efetiva a beatificação.

Oficialmente o Vaticano não se manifestou sobre a decisão da Congregação. A imprensa italiana informou que o milagre que permitirá a beatificação do papa Montini era a cura de um bebê ainda na barriga da mãe, em 2001, nos Estados Unidos. Ele foi proposto pelo postulador da causa de Paulo VI, Antonio Marrazzo.

O caso se refere à história de uma mulher que durante a gravidez descobriu um grave problema cerebral no feto e a quem os médicos aconselharam como possível solução o aborto, porém a jovem se opôs a isso e quis levar a gravidez adiante, acreditando na intercessão de Paulo VI.

Segundo disse Marrazzo em 2012 à Rádio Vaticano, "a criança nasceu sem problemas" e os médicos consideraram o nascimento "um feito verdadeiramente extraordinário e sobrenatural". A escolha do milagre, continuou  o postulador da causa para o reconhecimento do beato, foi decidida "em acordo com o magistério do papa", que escreveu a encíclica Humanae Vitae, sobre a defesa da vida, na qual condenava o uso de métodos artificiais de contracepção e o aborto.

No dia 20 de dezembro de 2012, Bento XVI havia assinado o decreto de "virtudes heróicas" de Paulo VI com o qual ele foi declarado "venerável", o que permtiu a sequência do processo de beatificação.

 Com informações da Agência EFE. COLABOROU MARCELO GODOY

Mais conteúdo sobre:
Paulo VI vaticano papa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.