Após reunião com Cármen Lúcia, Temer não comenta crise penitenciária

Auxiliares do presidente comparam a guerra entre facções criminosas a 'barril de pólvora' prestes a explodir e dizem que é necessário o Judiciário ajudar a encontrar soluções para a superlotação carcerária

Vera Rosa, Beatriz Bulla, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2017 | 12h03

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer se reuniu na manhã deste sábado, dia 7, por cerca de duas horas e meia com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, para tratar da crise nos presídios, agravada com os assassinatos de presos em Roraima e Amazonas.

O encontro, que ocorreu na casa da ministra, no Lago Sul, em Brasília, não estava registrado na agenda oficial de nenhum dos dois.

Temer deixou o Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-Presidência, por volta das 10h e seguiu para a reunião. Para não chamar a atenção, usou um carro prata, sem identificação, e não os tradicionais veículos oficiais pretos da Presidência da República. Ao sair, acenou para jornalistas, mas não deu declarações.

O presidente já havia conversado por telefone com Cármen Lúcia na sexta-feira. O encontro entre os dois estava previsto inicialmente para domingo, mas Temer solicitou que fosse antecipado diante da gravidade da situação.

O Estado apurou que o presidente está preocupado com o "efeito dominó" das rebeliões em várias regiões do País.

Até agora, o Palácio do Planalto não conseguiu acertar o passo na estratégia de comunicação ao indicar que a segurança pública é, em primeiro lugar, uma questão a ser tratada pelos Estados. Nos bastidores, até mesmo ministros admitem que o governo federal passou uma imagem de "omissão" logo na virada do ano.

Na tentativa de não levar a crise para o Planalto, Temer demorou a se posicionar sobre a matança no presídio de Manaus. Depois, falou em "acidente pavoroso" e a expressão ganhou mais destaque do que as medidas anunciadas, como a construção de cinco presídios federais, consideradas um "factoide" até por aliados.

Na quinta-feira, Cármen Lúcia esteve em Manaus e se reuniu com presidentes de Tribunais de Justiça da região para discutir os problemas do sistema carcerário.

Ainda nesta sexta, horas depois de o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciar as diretrizes do novo Plano Nacional de Segurança, uma polêmica envolvendo a recusa do governo federal em enviar tropas da Força Nacional para reforçar a segurança nos presídios de Roraima, meses antes da rebelião, provocou mal-estar no Planalto.

Interlocutores de Temer atribuem a Moraes boa parte dos problemas de comunicação em relação à crise nos presídios. Na quinta-feira, minutos antes da reunião do Núcleo Institucional do governo, um ministro que participaria do encontro perguntou onde estava Temer. "Alexandre de Moraes já privatizou o presidente", respondeu outro colega, irônico, ao lembrar que o titular da Justiça é pré-candidato do PSDB ao governo de São Paulo. 

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer Carmen Rocha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.