1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Arcebispo inicia processo para canonização de dom Hélder Câmara

Angela Lacerda - Especial para O Estado

27 Maio 2014 | 17h 05

Para dom Fernando Saburido, o ex-arcebispo emérito da Cúria era dono de muitas virtudes e tem nome nacional e internacional

RECIFE - O arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, deu, nesta terça-feira, 27, o primeiro passo para reconhecer o ex-arcebispo emérito da Cúria Metropolitana, dom Hélder Câmara, como santo. Ele assinou uma carta que será encaminhada à Congregação da Causa dos Santos, em Roma, solicitando autorização para dar início ao processo de canonização do religioso (1909-1999) que teve forte atuação contra a ditadura militar de 1964 e se tornou conhecido por sua opção pelos pobres.

Em entrevista, dom Saburido informou que diante de uma resposta afirmativa, será constituída uma comissão que ficará encarregada de pesquisar e analisar escritos e documentos que justifiquem o pedido. Para ele, dom Hélder era dono de muitas virtudes e tem nome nacional e internacional. "O reconhecimento dele como santo vai ser uma coisa boa para a Igreja e para a sociedade", disse o arcebispo. "Ele vai ser um modelo de determinação, de compromisso com os pobres." Disse ainda que "os santos têm esse perfil, de motivar a comunidade a viver o Evangelho". "O Dom viveu plenamente o Evangelho."

Conhecido como o "Dom da Paz" e "Pastor da Liberdade", dom Hélder foi incansável defensor dos direitos humanos e denunciou internacionalmente a prática de tortura contra presos políticos no Brasil. Indicado quatro vezes ao Nobel da Paz, era seguidor da Teologia da Libertação. Na sua gestão à frente da Arquidiocese, criou a Comissão de Justiça e Paz (CJP), em março de 1968, que veio a se tornar instrumento para denunciar arbitrariedades a exemplo de perseguições, torturas e fechamento de veículos de comunicação social contrários à ditadura. "Rigorosamente dentro da lei e dentro da não-violência, procuraremos enfrentar injustiças venham de onde vierem", disse ele ao criar a comissão. Dois anos depois, teve seu nome proibido até de ser citado na imprensa pelo regime militar.

Saburido fez o anúncio da abertura do processo de canonização de dom Hélder em reunião da Comissão Estadual da Memória e da Verdade, que concluiu investigação sobre a morte do padre Antonio Henrique Pereira. Assessor de dom Hélder na CJP, padre Henrique foi sequestrado, torturado e teve seu corpo abandonado em um terreno baldio do Recife, há 45 anos. A Comissão da Verdade asseverou nesta terça, 27, que o crime foi "político". As autoridades da época o classificaram como crime comum, afirmando que o padre teria sido vítima de grupos de viciados. O arcebispo também anunciou a recriação da Comissão de Justiça e Paz, destituída pelo sucessor de dom Hélder na Arquidiocese, o conservador dom José Cardoso Sobrinho, em 1985.

Para dom Fernando Saburido, o processo de canonização de dom Hélder será rico em testemunhos. "É muito grande o número de pessoas que tiveram o privilégio de conviver com o Dom", disse ele, ao reconhecer que o caminho da canonização é muito longo. Nas várias etapas, o postulante precisa ser reconhecido primeiramente como Servo do Senhor; depois precisa ter o reconhecimento de suas virtudes heroicas; em seguida, um compêndio de relatos e estudos precisa ser aprovado pelo Papa, que concede o título de Venerável Servo do Senhor. Na próxima etapa há a beatificação e em seguida, vem a canonização, com o pré-requisito de ocorrência de um milagre depois da nomeação como beato.

  • Tags: