Assaltantes entram em mosteiro e roubam hábitos de monges no Paraná

Crime ocorreu em convento em Ponta Grossa, onde vivem cerca de 40 monges; superiores afirmam temer que vestimentas sejam usadas para cometer outros delitos

Evandro Fadel, O Estado de S. Paulo

10 Março 2011 | 18h06

CURITIBA - O Mosteiro da Ressurreição, onde vivem 40 monges e irmãos beneditinos, em Ponta Grossa, a cerca de 120 quilômetros de Curitiba, foi assaltado na manhã desta quinta-feira, 10. Ninguém ficou ferido, mas hábitos monásticos foram furtados e um carro, pertencente a um hóspede do convento, foi bastante avariado pelos assaltantes. Os superiores do convento registraram Boletim de Ocorrência na delegacia. Estima-se que duas pessoas participaram do assalto.

 

De acordo com Dom Marcos Rosas, o assalto foi notado no início da manhã, quando se dirigiam para a missa. Muitas roupas estavam espalhadas pelo jardim. "Entraram por uma janela da rouparia, mexeram nas roupas e deixaram hábitos monásticos pelo bosque", disse. Uma bermuda foi encontrada no bosque e entregue à polícia. O rádio do carro do hóspede foi arrancado, mas não levado, assim como a bateria do veículo. Toda a frente e vidros do carro foram destruídos. "Foi apenas vandalismo", lamentou o religioso.

 

Dom Marcos disse temer que quem furtou os hábitos utilizem-os como vestimenta para pedir dinheiro em nome dos monges ou para facilitar a entrada em casas. Esta não é a primeira vez que o mosteiro é assaltado. Distante 13 quilômetros do centro da cidade, o local ainda mantém a tranquilidade em razão da área verde que o cerca, mas já faz parte da periferia da cidade. Enquanto não conseguem uma área mais distante, os monges pretendem reforçar a segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.